Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

China confirma uso de tecnologia stealth madura de testes

A China pode testar exaustivamente a capacidade furtiva madura de suas aeronaves e também aplicar a tecnologia ao projeto e fabricação de embarcações navais, disse um especialista militar no dia 22 de maio, em resposta a uma reportagem em uma revista de revisão técnica.


Poder Aéreo

A Shenyang Aircraft Corporation conduziu com sucesso um teste de Seção Reta Radar (RCS – Radar Cross-Section) para aeronaves, de acordo com a conta oficial do WeChat da Ordnance Industry Science Technology, um periódico chinês sobre as indústrias e tecnologias nacionais de defesa.

FC-31 ou J-31
FC-31 ou J-31 | Reprodução

Esta é a primeira vez que a China divulgou abertamente informações confirmando o uso da tecnologia de testes RCS em caças furtivos.

A reportagem de terça-feira incluiu uma foto de um caça J-11 e uma equipe de pesquisa da corporação localizada na província de Liaoning, no nordeste da China.

Analistas militares disseram que o artigo provou que a capacidade chinesa de stealth melhorou maciçamente, com múltiplos institutos militares chineses de pesquisa industrial capazes de aplicar a tecnologia em sua produção de armas mais sofisticadas, incluindo navios e tanques.

O RCS é uma medida de quão detectável é um objeto por radar. Um índice RCS maior indica que um objeto é mais facilmente detectado pelo radar.

De acordo com a reportagem, a China há muito tempo conquistou a tecnologia e a aplicou no projeto e fabricação do mais avançado caça furtivo de quinta geração da China, o J-20.

“O J-20 é construído pela Chengdu Aircraft Industry Group, e a Shenyang Aircraft Corporation também está conduzindo pesquisa e desenvolvimento de outro caça furtivo feito na China, o FC-31, então a tecnologia é muito básica e essencial”, disse Song Zhongping, especialista militar e comentarista de TV, disse ao Global Times na terça-feira.

“Se o teste de RCS puder ser usado de forma madura, isso significa que caças de quarta geração, incluindo os J-11 e J-16, que formam o corpo principal da Força Aérea Chinesa e são produzidos pela Shenyang Aircraft Corporation, também podem melhorar suas capacidades stealth.”

O índice RCS depende em grande parte do tamanho, configuração e materiais do objeto.

Embora os jatos de combate mais antigos em serviço não possam alterar sua configuração aerodinâmica, eles podem reduzir seu índice com um revestimento furtivo, observou Song.

“Isso significa que, além do J-20, outras aeronaves da Força Aérea Chinesa também têm capacidade de stealth”, disse ele.

Apenas alguns países do mundo têm capacidade de testes furtivos: os EUA, a Rússia e alguns membros da UE podem realizar o teste, de acordo com a reportagem.

A tecnologia também pode ser usada para embarcações da Marinha e veículos terrestres blindados.

FONTE: Global Times

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas