Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

China reafirma apoio à causa palestina e condena violência israelense

China reafirmou hoje seu apoio ao direito da Palestina a ter um Estado próprio, depois de rechaçar e manifestar preocupação pela violência de Israel com saldo mortal contra uma manifestação civil na faixa de Gaza.


Prensa Latina
Beijing - Lu Kang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, reiterou que seu Governo respalda a causa justa do povo palestino a restaurar o direito à livre determinação e a dispor de um Estado independente e soberano, com sua capital em Jerusalém Oriental e as fronteiras prévias a 1967.

Lu Kang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China | Reprodução

Qualificou de sensível e complicado o tema do status dessa cidade, ao expressar séria preocupação e oposição aos enfrentamentos que deixaram pelo menos 58 pessoas mortas e mais de duas mil feridas.

Lu urgiu às partes, especialmente a Israel, de abster-se de piorar a situação, resolver os problemas pela via do diálogo e em concordância com as resoluções da Organização das Nações Unidas.

'As negociações de paz entre Palestina e Israel devem ser retomadas o mais rápido possível para tentar uma resolução final ao status de Jerusalém', enfatizou o porta-voz da chancelaria, e chamou a comunidade internacional a cooperar com esse objetivo.

Com suas declarações, China soma-se à onda de condenação mundial ao ataque armado de militares israelenses contra uma manifestação ontem em Gaza que rejeitava a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém, em violação de vários acordos internacionais.

Comentários

Postagens mais visitadas