Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Enviado da ONU participará de nova rodada de consultas sobre Síria em Astana

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, participará nos dias 14 e 15 de maio em Astana, no Cazaquistão, da nova rodada de consultas para a resolução do conflito no país árabe, informou neste sábado o Ministério das Relações Exteriores cazaque.


EFE

Astana - "Na qualidade de observadores, participarão uma delegação da ONU presidida por De Mistura e uma delegação da Jordânia", diz o comunicado oficial do governo do Cazaquistão.


Staffan de Mistura em foto de abril de 2018. EFE/ Olivier Hoslet
Staffan de Mistura em foto de abril de 2018. EFE/ Olivier Hoslet

De Mistura já tinha participado da oitava rodada realizada em dezembro do ano passado, na qual foi convocado um congresso nacional sírio, que aconteceu em janeiro no balneário de Sochi, na Rússia.

Na última conferência de doadores em Bruxelas, a ONU e a União Europeia insistiram que o fim das hostilidades na Síria é a única via possível para conseguir uma solução política e humanitária.

O ministério cazaque também informou hoje que todos os convidados, as delegações do regime de Bashar al Assad e da oposição, e dos países mediadores (Rússia, Turquia e Irã), confirmaram sua presença.

Segundo os países mediadores, na nona rodada de consultas será abordada a situação no terreno, o funcionamento das zonas de distensão e novas medidas políticas e humanitárias que contribuam para a paz na Síria.

No fim de abril, os ministros de Relações Exteriores de Rússia, Irã e Turquia concordaram em dar passos concretos para impulsionar a resolução do conflito sírio, depois do bombardeio realizado por Estados Unidos, França e Reino Unido em represália pelo suposto uso de armas químicas pelo exército sírio em Ghouta Oriental.

Na época, o ministro turco Mevlüt Çavusoglu denunciou que as YPG (as milícias curdas Unidades de Proteção do Povo) controlavam 25% do território sírio com a aquiescência dos EUA.

As maiores conquistas das consultas de Astana foram o mecanismo para supervisionar o cessar-fogo e a criação de várias zonas de segurança no país árabe.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas