Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Guterres diz que fórum sobre questão palestina é 'oportunidade para olhar em frente'

Encontro nas Nações Unidas junta especialistas, diplomatas e representantes da sociedade civil para discutir conflito entre Israel e Palestina até sexta-feira; discurso do chefe da ONU foi lido pela vice-secretária-geral, Amina Mohammed.


Alexandre Soares | ONU

Uma mensagem do secretário-geral, António Guterres, destaca que o 70º aniversário da Guerra de 1948 é uma “oportunidade para olhar em frente” em relação à questão palestina.

Chefe da ONU, António Guterres | ONU/Eskinder Debebe

O discurso foi lido pela vice-chefe da ONU, Amina Mohammed, na abertura de um fórum com o titulo “70 anos depois de 1948 – lições para alcançar uma paz sustentável”, que decorre até esta sexta-feira no Conselho de Tutela, em Nova Iorque. 

Confrontos

No pronunciamento, o chefe da ONU deplora “a perda trágica de vidas e o sofrimento em Gaza” dos últimos dias. Na segunda-feira, confrontos causaram a morte de pelo menos 48 pessoas e 1,3 mil feridos na cerca que divide Israel e Gaza.

Guterres disse que “a violência recente torna evidente a necessidade de ação.” Ele tornou a lembrar a necessidade de Israel “usar o máximo de contenção”, do Hamas “prevenir ações violentas” e a importância de investigar todas as mortes.

Para o secretário-geral, “a comunidade internacional falha, há demasiado tempo, em encontrar uma solução duradoura para a situação dos refugiados palestinos”. Segundo ele, os refugiados de há sete décadas e os seus descendentes são agora 5,3 milhões de pessoas.

Encontro

O encontro vai reunir especialistas israelitas e palestinos, representantes da comunidade diplomática e da sociedade civil. Segundo a organização, o objetivo é ter “um debate construtivo que apoie os esforços coletivos para lançar negociações credíveis” em direção à paz.

O chefe da ONU disse que o encontro também deve servir “para refletir sobre os custos e as consequências da Guerra de 1948, que resultou no deslocamento em massa e a retirada de suas casas de centenas de milhares de palestinos. ”

Ele acredita que “as vidas de gerações de palestinos e israelitas têm sido definidas por um conflito que moldou a sua paisagem física e humana sob uma atmosfera de medo e desconfiança mútua.”

Dois Estados

Guterres afirmou que “o estabelecimento de assentamentos e a sua expansão, ilegais segundo a lei internacional, contribui para mais deslocamento e é um grande obstáculo para alcançar uma solução de dois Estados.”

O chefe da ONU explicou que “a paz requer vontade política e coragem de todos os lados. ” Quanto à comunidade internacional, “precisa de trabalhar para um resultado em que o medo é substituído pela dignidade e a negação dá lugar à justiça.”

A ONU continua a considerar uma solução de dois Estados a única possível. Guterres falou numa Palestina e Israel “vivendo lado a lado, em paz, com fronteiras reconhecidas e seguras, e com Jerusalém como a capital de ambos.”

No final, Amina Mohammed leu o pedido de Guterres para que os participantes do fórum “reflitam sobre como tornar esta visão uma realidade. ”

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas