Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Oposição síria saúda palavras de enviado russo sobre retiradas de tropas do país

A opositora Comissão Síria para Negociações saudou a declaração do enviado especial do Kremlin para a Síria, Aleksandr Lavrentiev, sobre a retirada do contingente estrangeiro do país árabe, disse um membro do comité, Firas Halidi à Sputnik.


Sputnik

"Congratulamo-nos com a retirada de todas as forças estrangeiras de retirada total da Síria no âmbito do processo político justo ", disse ele.

Soldados do Exército sírio com bandeira da Síria se alegram com a libertação de Palmira
Militares sírios em Palmira © Sputnik / Mikhail Voskresenskiy

Na sexta, Lavrentiev disse que todas as forças estrangeiras, incluindo os militares dos EUA, Turquia e do movimento libanês Hezbollah, apoiado pelo Irã, deveriam deixar a Síria. Ele, porém, disse que as forças russas permanecerão no país árabe.

Em dezembro, o Estado-Maior Geral do Estado da Rússia anunciou que todos territórios controlados pelos terroristas Daesh (auto-intitulado Estado Islâmico) na Síria foram libertados. O presidente russo ordenou um corte no contingente russo posicionado no país árabe.

Em meados de março de 2016, a Rússia empreendeu uma retirada parcial do grupo de militares sírios, dando por cumprida a missão. No início de Janeiro de 2017, o Ministério da Defesa russo anunciou uma segunda retirada do contingente militar localizado na Síria. No momento, a Rússia mantém uma presença militar na base aérea de Hmeymim e porto de Tartus para enviar reforços, se necessário.

Os EUA, contudo, liderando a Coalizão Internacional lançada em 2014 para combater terroristas, mantém ataques aéreos no país sem consentimento das autoridades sírias.

Comentários

Postagens mais visitadas