Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Polícia Aérea da OTAN escolta aviões militares russos sobre mar Báltico

Caças da Força Aérea da OTAN, que estão exercendo regularmente missões de patrulhamento e reconhecimento sobre o mar Báltico, teriam levantado voo cinco vezes na semana passada para escoltar aviões russos.


Sputnik

Desde maio, dez caças das Forças Aéreas de Portugal e Espanha têm desempenhado policiamento aéreo da Aliança Atlântica no território da Lituânia.

Caça F/A-18 da Força Aérea espanhola
F/A-18 Super Hornet | CC BY 2.0 / Jordi Payà

"De 14 a 20 de maio, caças da Força Aérea da OTAN, que estão exercendo regularmente missões de patrulhamento e reconhecimento nos países bálticos, teriam levantado voo cinco vezes para escoltar aviões militares russos no espaço aéreo internacional sobre o mar Báltico", diz o comunicado do Ministério da Defesa da Lituânia.

De acordo com dados do ministério, em 14 de maio, caças da OTAN levantaram voo duas vezes com objetivo de reconhecer e escoltar aviões russos.

Na primeira vez, foi escoltado um avião russo Il-20 que estava executando voo do território principal da Rússia para seu enclave — região de Kaliningrado. Na segunda vez foram escoltados dois Su-24 que realizavam o mesmo voo.

Além disso, o ministério comunica que, em 15 de maio, caças da OTAN escoltaram um Na-124 russo e, em 17 de maio, um Il-20, que estavam efetuando voos da região de Kaliningrado para o território continental russo. Nesse dia também foi escoltado um An-72 que estava em trajeto do território principal da Rússia para seu enclave — região de Kaliningrado.

O Ministério da Defesa da Rússia declarou inúmeras vezes que todos os voos das aeronaves russas são realizados em conformidade com as regras internacionais de uso do espaço aéreo sobre águas neutras, sem violar fronteiras de outros Estados.

Os países bálticos não possuem aviões aptos para patrulhamento aéreo. Por isso, desde abril de 2004 (após sua adesão à OTAN), a vigilância do espaço aéreo tem sido efetuada por aviões dos países-membros da Aliança Atlântica, em conformidade com o princípio de rotação.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas