Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Rússia reforça defesa do Ártico com bombardeiros supersônicos estratégicos

A Rússia planeja fortalecer a defesa do Ártico enviando bombardeiros estratégicos supersônicos Tu-160 para esta região, segundo comunicou o comandante da aviação de longo alcance da Força Aeroespacial da Rússia, Sergei Kobylash, em entrevista ao jornal do Ministério da Defesa.


Sputnik

"Atualmente, o Ártico tem importância estratégica para nós e, por isso, estamos incluindo novos aeródromos e aparelhos que possam garantir a segurança do país na fronteira marítima e naquela área", explicou Kobylash entrevistado pelo Krasnaya Zvezda.

Bombardeiro russo Tu-160
Tupolev Tu-160 © AP Photo / Misha Japaridze

"Nunca violamos o direito internacional, muito menos as fronteiras de outros países", acrescentou.

O comandante russo também comentou o recente incidente em que caças F-22 dos EUA escoltaram aeronaves russas no Ártico.

"Perto de suas fronteiras, a aviação desses países tem o mesmo direito de escoltar que nós temos ao realizar patrulhas aéreas", disse Kobylash, observando que este é um caso frequente.

Ao mesmo tempo, o comandante assegurou "com total responsabilidade" que a aviação russa de longo alcance "não violou o direito internacional, muito menos as fronteiras aéreas de Estados estrangeiros". "Todas as tarefas que as equipes realizaram e realizam estão em total conformidade com os padrões internacionais", frisou.

Comentários

Postagens mais visitadas