Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Síria acusa EUA de bombardearem propositadamente seus campos de petróleo

A chancelaria síria acusou a coalizão internacional liderada pelos EUA de ter bombardeado propositadamente poços de petróleo na Síria para que o governo não possa usá-los.


Sputnik

"Eles o fizeram para que tivéssemos que pagar dezenas de milhões de dólares a fim de reiniciar o trabalho nestes campos", afirmou o vice-ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad.

Refinaria de petróleo supostamente atacada pela coalizão internacional, liderada pelos EUA, no norte da Síria (foto de arquivo)
Refinaria de petróleo síria bombardeada pelos EUA © AFP 2018 / Raqqa Media Center (RMC)

O diplomata sublinhou que alguns campos de petróleo são controlados no momento por vários grupos, incluindo pelos curdos das Forças Democráticas da Síria (FDS).

"Queríamos frisar outra vez que os curdos fazem parte do povo sírio. Não queremos que quem quer que seja […] trabalhe nos interesses de outros países contra os interesses da Síria. Espero que eles [os curdos] o entendam", detalhou Mekdad.

Além disso, Damasco acredita que os Estados Unidos apoiam as forças curdas "enquanto os interesses das partes coincidirem".

Segundo as estimativas do especialista russo Dmitry Marinchenko, diretor do grupo de recursos naturais e matérias-primas Fitch, poderão ser precisos centenas de milhões de dólares para recuperar a indústria petroleira síria, que sofreu grandes destruições durante as ações militares no país.

O conflito armado na Síria continua desde 2011. No fim de 2017, a Síria e o Iraque proclamaram a vitória sobre o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em outros países). No entanto, em algumas regiões destes países ainda permanecem jihadistas.

Comentários

Postagens mais visitadas