Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.


Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Caça da quinta geração Su-57
Sukhoi Su-57 © Sputnik / Alexey Kudenko

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia controlam totalmente o espaço aéreo de Israel, Líbano e Síria. Este é um dos principais motivos pelos quais Israel não poderá usufruir ao máximo de seus atuais caças norte-americanos F-35.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o major-general e piloto militar russo, Vladimir Popov, opinou que em comparação a várias características dos caças F-22 e F-35 norte-americanos, os caças Su-39 e Su-35 nunca ficaram para trás.

"Vários especialistas, inclusive ocidentais, apontam que nossos aviões de 4++ geração não ficam para trás, e, em várias características, até ultrapassam aviões norte-americanos F-22 e F-35 de quinta geração", indicou o piloto.

"Os norte-americanos colocam a furtividade em primeiro lugar […] Nós colocamos essa característica no segundo ou terceiro lugar. Para nós, o importante é a alta manobrabilidade, a redução de custos de fabricação e manutenção, simplicidade, e depois todo o resto. Porém, nossos aviões também são bem equipados para efetuar voos imperceptíveis", apontou Popov.

As características do caça russo de quinta geração, segundo ele, devem ultrapassar as dos F-22 e F-35 norte-americanos.

"Não se deve se esquecer do nosso avião de quinta geração Su-57, que já passou por voos de testes. Agora está praticamente começando rearmamento, vamos ver como a aeronave vai operar. Acredito que sua qualidade vá ser superior à dos Su-30 e Su-35, nossos aviões de geração 4++. Consequentemente, ele ultrapassará os F-22 e F-35 estadunidenses", ressaltou Vladimir Popov.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas