Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Um morto e 147 feridos em confrontos entre palestinianos e soldados israelitas

Este já é o dia com mais baixas palestinianas desde 2014. Transferência de embaixada dos EUA de Telavive para Jerusalém motivou revolta


DN/Lusa

Pelo menos 52 palestinianos foram mortos por soldados israelitas durante os protestos junto à fronteira com Gaza contra a transferência da embaixada dos EUA de Telavive para Jerusalém, segundo autoridades de saúde palestinianas, citadas pela Reuters. A vítima mais nova teria 14 anos. Segundo a Reuters, há cerca de 1200 feridos, metade com balas.

Protestos no sul da Faixa de Gaza | Foto REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

É o dia com mais baixas palestinianas desde a guerra de Gaza em 2014.

De acordo com Ashraf al Qedra, porta-voz do Ministério da Saúde palestiniano em Gaza, a primeira vítima foi Anas Qudieh, de 21 anos, que morreu na sequência do impacto de uma bala a este de Jan Yunis, sul do enclave.

Milhares de palestinianos reuniram-se hoje em vários pontos da fronteira e pequenos grupos tentaram aproximar-se das barreiras de segurança que estão fortemente vigiadas pelo exército.

Segundo a agência espanhola EFE, as forças israelitas, que haviam alertado a população para não se aproximarem da linha divisória, dispararam gás lacrimogéneo contra os manifestantes para impedir que eles se aproximassem do portão de segurança.

Em panfletos lançados por caças, o exército israelita avisa que "atuará contra qualquer tentativa de danificar a vedação de segurança ou atacar soldados ou civis israelitas".

Na terça-feira, os palestinianos assinalam o 'Nakba' (desastre, em árabe), que designa o êxodo palestiniano em 1948, quando pelo menos 711.000 árabes palestinianos, segundo dados da ONU, fugiram ou foram expulsos das suas casas, antes e após a fundação do Estado israelita.

Com estas mortes elevam-se para 70 o número de palestinianos abatidos por soldados israelitas na faixa de Gaza desde o início das manifestações, a 30 de março.

Comentários

Postagens mais visitadas