Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Ancara adverte OTAN e EUA sobre 'linha vermelha', diz especialista militar

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou usar os S-400 "caso seja necessário". Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Andrei Koshkin considerou que Ancara está demonstrando postura decisiva.


Sputnik

Ancara está pronta para usar os complexos de defesa antiaérea S-400 caso precise, avisou o presidente Erdogan em comunicado escrito pelo jornal Hurriyet Daily News.

Sistema de mísseis antiaéreos S-400 Triumph em funcionamento
S-400 Triumph russo © Sputnik / Mikhail Voskresensky

"Não apenas compraremos os S-400 e os colocaremos no estoque. Se necessário, vamos usá-los. Eles são sistemas de defesa. O que vamos fazer com eles se não formos usá-los?", questionou o presidente turco.

Erdogan também destacou que, por vários anos, Ancara solicitou armas semelhantes dos EUA, mas seus pedidos foram recusados. Segundo o presidente, a Turquia está "cansada" disso.

"A Rússia reage aos nossos pedidos com uma proposta bastante atraente. Eles [russos] disseram que irão até mesmo à produção conjunta […] Eles nos ofereceram boas condições de empréstimo", enfatizou o chefe de Estado.

Os Estados Unidos e outros representantes da OTAN criticaram a decisão da Turquia de comprar sistemas russos. O vice-secretário de Estado dos EUA, Wess Mitchell, afirmou que a compra de S-400 pode influenciar de modo negativo o fornecimento de F-35 norte-americano ao país. O chefe do Departamento de Defesa Cibernética, Christian Liflander, sublinhou que as armas de produção russa são incompatíveis com os sistemas correspondentes que estão em serviço dos países-membros da OTAN.

Durante entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista político-militar Andrei Koshkin comentou as declarações do líder turco.

"Hoje em dia, Erdogan continua conduzindo uma política externa independente e demonstrando aos EUA e à OTAN que sua postura é independente e muito decisiva. É por isso que as divisões de S-400, a princípio, que Erdogan está pronto a não apenas utilizar como argumento, mas também como força militar: para provar que ele mesmo decide. E, por enquanto, como vimos, ele não ultrapassa a ‘linha vermelha' nas relações com a OTAN e os EUA, mas adverte para que nem OTAN nem EUA se aproximem da ‘linha vermelha' nas relações com a Turquia", disse Koshkin.

Em dezembro de 2017, Turquia e Rússia assinaram um contrato de empréstimo de sistemas de mísseis antiaéreos S-400. Ancara comprará duas baterias de sistemas de defesa antiaérea, que irão servir o contingente turco. Os dois lados concordaram em cooperar no desenvolvimento de produção de S-400 na Turquia. Erdogan informou que o adiantamento do contrato já foi feito.

Comentários

Postagens mais visitadas