Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Caças J-20 aprimoram as capacidades de combate da Força Aérea Chinesa

Atualmente, existem apenas três tipos de caças furtivos de quinta geração no mundo: o F-22A Raptor dos EUA, o russo Su-57 PAK-FA e o chinês J-20.


Poder Aéreo
PEQUIM – O duro campo de batalha sírio tornou-se um campo de testes para a aeronave de quinta geração dos Estados Unidos e da Rússia. A Força Aérea dos EUA tenta manter sua superioridade aérea com caças F-22A, enquanto as Forças Aeroespaciais Russas fazem um teste abrangente de seus caças Su-57.

Caça J-20 da PLAAF
Caça J-20 da PLAAF


Embora o caça J-20 da China não tenha tido a oportunidade de ser testado no campo de batalha, ele vem acelerando o ritmo na formação de capacidades de combate e na realização de treinamento realista. Os caças furtivos J-20 promovem a construção chinesa do sistema de combate aéreo dos três aspectos a seguir:

Em primeiro lugar, lança o processo de atualização de caças chineses.

Apesar de 15 a 16 anos atrás do processo da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), a Força Aérea Chinesa (PLAAF – People’s Liberation Army Air Force) está equipada com os caças de quinta geração com as Forças Aeroespaciais Russas quase em sincronia.

Comparado com o caça furtivo monomotor F-35A de quinta geração que o Japão, a República da Coreia (ROK) e outros países vizinhos estão equipados, o caça furtivo bimotor J-20 da China desfruta de superioridade aérea e tem mais potência e capacidade abrangente de combate de domínio do ar e atacar alvos terrestres.

Em segundo lugar, atualiza a capacidade ofensiva defensiva integrada da PLAAF.

A maior vantagem das forças aéreas está na capacidade de combate de manobras de amplo espectro e velocidade.

A PLAAF começou a obter experiência dos caças de quarta geração após a introdução de caças Su-27 da Rússia e melhorou os caças J-11 e J-16 da China baseados no caça Su-27. Enquanto isso, a China projetou e desenvolveu os caças leves J-10, estabelecendo assim um sistema de combate aéreo defensivo integrado.

O comissionamento dos caças furtivos J-20 de quinta geração aumentará ainda mais a capacidade ofensiva e defensiva integrada da PLAAF. Em campanhas ofensivas aéreas (AOCs), o caça furtivo J-20 pode criar condições favoráveis ​​para seus parceiros de combate, penetrando primeiro no sistema de defesa antiaérea do inimigo.

Em terceiro lugar, melhora a capacidade de confronto do sistema de combate combinado ar-terra.

Como o equipamento padrão dos caças de quinta geração, o caça J-20 é equipado com um sofisticado e poderoso radar phased-array multifunção ativo com maior distância de detecção e capacidade mais poderosa.

De um modo geral, a distância de detecção dos caças de quinta geração é de duas a três vezes a dos caças de quarta geração, semelhante à dos aviões de alerta antecipado de médio porte.

Se o J-20 operar conjuntamente com os tipos melhorados de caças de quarta geração como J-10, J-11, J-16 e Su-30, o J-20 pode atuar como um avião de alerta aéreo antecipado. Também pode fornecer orientações de cobertura aérea e de alvos aéreos de médio e longo alcance para outros caças, a fim de melhorar a capacidade de combate aéreo de uma frota aérea mista.

Para as forças terrestres de defesa aérea, o J-20 pode ser um “testador” nos exercícios de confronto ar-solo para testar e aprimorar as capacidades das equipes de radar, equipes de mísseis terra-ar, tropas de artilharia antiaérea e guerra eletrônica na detecção, rastreamento e interceptação de caças furtivos, de modo a aumentar a capacidade de enfrentamento do sistema de combate conjunto ar-terra.

FONTE: China Military Online

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas