Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Caças J-20 aprimoram as capacidades de combate da Força Aérea Chinesa

Atualmente, existem apenas três tipos de caças furtivos de quinta geração no mundo: o F-22A Raptor dos EUA, o russo Su-57 PAK-FA e o chinês J-20.


Poder Aéreo
PEQUIM – O duro campo de batalha sírio tornou-se um campo de testes para a aeronave de quinta geração dos Estados Unidos e da Rússia. A Força Aérea dos EUA tenta manter sua superioridade aérea com caças F-22A, enquanto as Forças Aeroespaciais Russas fazem um teste abrangente de seus caças Su-57.

Caça J-20 da PLAAF
Caça J-20 da PLAAF


Embora o caça J-20 da China não tenha tido a oportunidade de ser testado no campo de batalha, ele vem acelerando o ritmo na formação de capacidades de combate e na realização de treinamento realista. Os caças furtivos J-20 promovem a construção chinesa do sistema de combate aéreo dos três aspectos a seguir:

Em primeiro lugar, lança o processo de atualização de caças chineses.

Apesar de 15 a 16 anos atrás do processo da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), a Força Aérea Chinesa (PLAAF – People’s Liberation Army Air Force) está equipada com os caças de quinta geração com as Forças Aeroespaciais Russas quase em sincronia.

Comparado com o caça furtivo monomotor F-35A de quinta geração que o Japão, a República da Coreia (ROK) e outros países vizinhos estão equipados, o caça furtivo bimotor J-20 da China desfruta de superioridade aérea e tem mais potência e capacidade abrangente de combate de domínio do ar e atacar alvos terrestres.

Em segundo lugar, atualiza a capacidade ofensiva defensiva integrada da PLAAF.

A maior vantagem das forças aéreas está na capacidade de combate de manobras de amplo espectro e velocidade.

A PLAAF começou a obter experiência dos caças de quarta geração após a introdução de caças Su-27 da Rússia e melhorou os caças J-11 e J-16 da China baseados no caça Su-27. Enquanto isso, a China projetou e desenvolveu os caças leves J-10, estabelecendo assim um sistema de combate aéreo defensivo integrado.

O comissionamento dos caças furtivos J-20 de quinta geração aumentará ainda mais a capacidade ofensiva e defensiva integrada da PLAAF. Em campanhas ofensivas aéreas (AOCs), o caça furtivo J-20 pode criar condições favoráveis ​​para seus parceiros de combate, penetrando primeiro no sistema de defesa antiaérea do inimigo.

Em terceiro lugar, melhora a capacidade de confronto do sistema de combate combinado ar-terra.

Como o equipamento padrão dos caças de quinta geração, o caça J-20 é equipado com um sofisticado e poderoso radar phased-array multifunção ativo com maior distância de detecção e capacidade mais poderosa.

De um modo geral, a distância de detecção dos caças de quinta geração é de duas a três vezes a dos caças de quarta geração, semelhante à dos aviões de alerta antecipado de médio porte.

Se o J-20 operar conjuntamente com os tipos melhorados de caças de quarta geração como J-10, J-11, J-16 e Su-30, o J-20 pode atuar como um avião de alerta aéreo antecipado. Também pode fornecer orientações de cobertura aérea e de alvos aéreos de médio e longo alcance para outros caças, a fim de melhorar a capacidade de combate aéreo de uma frota aérea mista.

Para as forças terrestres de defesa aérea, o J-20 pode ser um “testador” nos exercícios de confronto ar-solo para testar e aprimorar as capacidades das equipes de radar, equipes de mísseis terra-ar, tropas de artilharia antiaérea e guerra eletrônica na detecção, rastreamento e interceptação de caças furtivos, de modo a aumentar a capacidade de enfrentamento do sistema de combate conjunto ar-terra.

FONTE: China Military Online

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas