Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Cenário para libertação do sul da Síria ainda é incerto, afirma Assad

O cenário para a libertação do sul da Síria ainda não está definido, pode ser uma solução pacífica ou uma solução com uso da força, disse o presidente sírio, Bashar Assad, em entrevista à TV Al-Alam, do Irã, nesta quarta-feira (13).


Sputnik

"O Sul da Síria está enfrentando uma escolha. Ou é a reconciliação ou a liberação pela força. Neste momento, não há resultados [do processo de paz] por causa da pressão dos EUA e dos EUA sobre os terroristas naquela região. A reconciliação e a solução pacífica poderiam ser alcançadas", afirmou a agência estatal síria SANA, citando Assad.

O presidente sírio Bashar Assad durante um discurso em frente dos diplomatas, em 20 de agosto de 2017
Presidente sírio Bashar Assad © AP Photo / Página do Facebook da Presidência da Síria

Mês anterior, a mídia local informou que as forças do governo sírio foram remanejadas de Damasco e outras partes da Síria para a frente sul. As forças desdobradas eram da Guarda Republicana — uma unidade de elite do Exército Sírio, encarregada principalmente de defender Damasco — e um grupo paramilitar associado ao aparato de inteligência da Síria, segundo o Al Masdar News.

A ofensiva terá como objetivo liberar a totalidade do sul da Síria, incluindo o território perto das colinas de Golã, ocupadas por Israel, o que alarmou Israel. Este mês, uma fonte militar anônima síria disse ao Sputnik que "combatentes da resistência do Hezbollah e outras milícias estrangeiras apoiadas pelo Irã" não desempenharão nenhum papel na próxima ofensiva do Exército Sírio na área.

Comentários

Postagens mais visitadas