Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Crimeia adverte Kiev das consequências de exercícios militares perto de sua fronteira

Exercícios militares perto da fronteira da Crimeia são como uma brincadeira infantil de soldadinhos e as autoridades ucranianas devem saber o momento de parar com isso, advertiu Grigory Ioffe, chefe da Câmara Pública da República da Crimeia.


Sputnik

Anteriormente, a Marinha da Ucrânia realizou treinamentos no território da região de Kherson, perto da fronteira com a península da Crimeia. Segundo a assessoria de imprensa, artilheiros treinaram a eliminação de alvos nas áreas de povoações "temporariamente ocupadas". 

Crimeia vista do ar
Crimeia © Sputnik / Vitaly Belousov

"Para eles é vital atrelar qualquer ação militar à política. E fazem isso de modo tosco e desajeitado. Às vezes, há impressão que altos escalões da Ucrânia simplesmente brincam de soldadinhos. Mas devemos lembrar que não são soldados de brinquedo, são pessoas", afirmou Ioffe.

Ele pediu para avisar a Kiev que, se eles forem longe demais com essa brincadeira, Moscou terá que "recorrer a outras ações e não será apenas uma brincadeira".

Ioffe acrescentou que a Rússia está fazendo de tudo para evitar que as más relações russo-ucranianas se tornem "quentes".

"A Ucrânia está fazendo exatamente o oposto, porque está tentando provocar a situação. Deus me livre que esses planos insanos da liderança ucraniana se tornem realidade", concluiu.

As relações entre Moscou e Kiev se deterioraram drasticamente depois do golpe na Ucrânia em 2014 e o retorno da Crimeia à Rússia.

A Crimeia se tornou território russo através de um referendo em que votaram a favor 96,77% dos eleitores da República e 95,6% dos moradores de Sevastopol.

A Ucrânia ainda considera a península como território ucraniano temporariamente ocupado. De acordo com Vladimir Putin, a questão da Crimeia está "completamente resolvida".

Comentários

Postagens mais visitadas