Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Ex-oficial ucraniana demanda fim de conflito em Donbass

A ex-oficial e deputada ucraniana Nadezhda Sabchenko demandou hoje o fim da guerra no Donbass e a exploração da população, caso contrário, afirmou, este país receberá golpes, tanto de Ocidente como do Oriente.


PRENSA LATINA
Kiev - Ao intervir em uma sessão do tribunal que analisou se mantinha no cárcere ou se era posta em detenção domiciliar, Sabchenko estimou que se o Governo mantém o empobrecimento dos cidadãos e a guerra, vão receber golpes de ambos lados.

Ex-oficial e deputada ucraniana Nadezhda Sabchenko | Reprodução

A ex-oficial, que em seu momento foi conceituada como uma heroína em Ucrânia, por assistir à eliminação de um ônibus com jornalistas russos em Donbass, agora é acusada de uma tentativa de atentado contra a direção ucraniana e de um golpe de Estado.

De acordo com a promotoria, Sabchenko, quem integrou primeiro as filas do movimento Babkivchina, da ex-primeira ministra Yulia Timoshenko, e depois fundou seu próprio partido, estaria por trás de um suposto esquema para atacar ao Parlamento e a Presidência.

A legisladora ucraniana foi presa em março passado por ordem da procuradoria, depois que se acharam indícios de sua possível cumplicidade em uma suposta tentativa de atacar edifícios administrativos.

Desde então, Sabchenko mantém-se retida.

A ex-oficial foi presa pelas autoridades da autoproclamada república de Donetsk e julgada em março de 2016, acusada de estar entre os responsáveis pela morte de ao menos dois jornalistas da televisão estatal russa.

Sabchenko, membro de uma unidade de exploração da força aérea, destinada a marcar ou localizar objetivos em terra para a aviação, foi condenada em Rússia a 22 anos de cárcere, mas em maio desse ano foi perdoada pelo presidente Vladimir Putin.

A seu regresso a Ucrânia, foi acolhida pela direção deste país como uma heroína, mas com o passo do tempo Sabchenko assumiu uma posição mais bem na contramão da guerra no Donbass, ainda que fez questão da participação russa nesse conflito.

Comentários

Postagens mais visitadas