Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Imprensa desvenda última provocação da OTAN em relação à Rússia

Os EUA e a OTAN continuam dispondo a Rússia contra si, e o pedido da Noruega de duplicar a presença de tropas norte-americanas no seu território é o último exemplo da provocação, escreve o especialista norte-americano, Ted Galen Carpenter, na revista The National Interest.


Sputnik

Além disso, os noruegueses querem as posicionar perto da fronteira com a Rússia. Agora na Noruega há 330 representantes das forças armadas estadunidenses, que se revezam constantemente. Se o pedido de Oslo for satisfeito, o número do contingente militar dos EUA aumentará para 700 pessoas.

Soldados da OTAN no tanque alemão Leopard 2 participam dos exercícios da Aliança, Lituânia
Tropa da OTAN em um tanque Leopard 2 © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

Supõe-se que eles fiquem baseados no norte, a algumas centenas de quilômetros da Rússia. No momento as forças dos EUA na Noruega estão posicionadas deslocam no centro do país, ou seja, bastante mais longe das fronteiras.

A rotação permite aos noruegueses cumprir formalmente o compromisso dado a Moscou em 1949, quando a Noruega aderiu à OTAN. Na época, as autoridades do país prometeram que no seu território não haveria nenhumas bases norte-americanas.

Recentemente, na Noruega lembraram que a presença dos militares estadunidenses se reveste de um caráter temporário. Mas Carpenter acha que isso é um "truque cínico" que não consegue enganar ninguém, muito menos o presidente russo, Vladimir Putin, e os seus colegas no Kremlin.

Além do mais, para outubro deste ano estão marcados os exercícios Trident Juncture 18. Contudo, Oslo afirma que "não vê uma razão séria" pela qual a Rússia deve reagir a tal comportamento.

No entanto, o autor frisa que qualquer outro país poderia considerar tais ações como inamistosas e que "a sua continuação, com o prosseguimento da negação cínica das intenções hostis, pode facilmente levar a cálculos errados e a uma confrontação catastrófica".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas