Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Irã condena a ofensiva liderada pelos Emirados contra importante cidade portuária do Iêmen

O Irã condenou duramente um ataque militar liderado pelos Emirados contra a cidade portuária de Hudaydah, no Iêmen, o principal canal para a entrega de ajuda humanitária ao país devastado pela guerra, descartando qualquer solução militar para a crise iemenita.


Pars Today

Na quinta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã alertou que a ofensiva poderia piorar a já terrível situação humanitária na cidade portuária do Mar Vermelho.

Irã condena a ofensiva liderada pelos Emirados contra importante cidade portuária do Iêmen

Sob a cobertura aérea saudita, as forças apoiadas pelos Emirados lançaram a ofensiva na quarta-feira para capturar Hudaydah do movimento Houthi Ansarullah do Iêmen, que tem estado dirigindo assuntos do estado e defendendo a nação contra uma guerra liderada por Riad nos últimos três anos.

O ataque seguiu em frente, apesar das inúmeras advertências das organizações de direitos internacionais e das Nações Unidas, que disseram que a ação militar pode custar até 250.000 vidas e provocar uma catástrofe humanitária no país.

O diplomata iraniano disse ainda: "A crise no Iêmen não tem solução militar e recorrer à força levaria a lugar nenhum", pedindo o fim da invasão do empobrecido Estado da Península Arábica. “Esses crimes matariam o fraco luz de esperança pelos esforços políticos em andamento [para dar frutos] e simplesmente complicariam as condições”, acrescentou Qassemi.

O ataque de Hudaydah é considerado o maior de seu tipo desde que o regime saudita e seus aliados iniciaram a campanha sangrenta contra o Iêmen no início de 2015.

Ele é liderado pelos Emirados Árabes Unidos, uma força da aliança liderada pela Arábia Saudita. O movimento Houthi e as forças aliadas do Iêmen prometeram forte resistência diante da ofensiva militar. Eles destruíram um navio de guerra dos Emirados com mísseis na costa do Iêmen na quarta-feira, forçando um segundo navio de guerra a fugir do local.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas