Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Kiev relata morte de 3 militares na zona de conflito em Donbass

O centro de imprensa da Operação de Forças Conjuntas da Ucrânia informou que 3 soldados ucranianos foram mortos e outros 3 ficaram feridos em 27 de junho por conta das violações do cessar-fogo em Donbass.


Sputnik

De acordo com o relatório, durante a quarta-feira (27), as forças de Donetsk e Lugansk lançaram 32 ataques contra as posições do exército ucraniano, usando quatro vezes armas pesadas, proibidas pelos acordos de Minsk.

Combatentes da autoproclamada República Popular de Donetsk
Combatentes da República Popular de Donetsk © Sputnik / Dan Levy

Desde abril de 2014, a Ucrânia realizou uma operação contra o leste de seu território, onde as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk foram proclamadas em resposta à violenta mudança de governo que ocorreu em Kiev em fevereiro do mesmo ano.

Os acordos de Minsk, assinados em setembro de 2014 e fevereiro de 2015, lançaram as bases para uma solução política para o conflito, mas ainda não levaram ao da violência.

De acordo com os dados da ONU, o conflito no leste ucraniano já causou mais 10.300 mortos.

Comentários

Postagens mais visitadas