Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Marinha chinesa efetua manobras antiaéreas no mar do Sul da China

O Exército Popular de Libertação da China está realizando manobras antiaéreas para proteger as ilhas disputadas no mar do Sul da China, onde os EUA promovem ações de "liberdade de navegação".


Sputnik

Os treinamentos, segundo as autoridades chinesas, são uma medida de segurança depois de bombardeiros B-52 da Força Aérea dos Estados Unidos terem efetuado voos nas proximidades do mar do Sul da China.

Mar do Sul da China
© AFP 2018 / STR

Washington, por sua vez, afirma que estes voos são realizados desde 2004 e respeitam as regras do "direito internacional".

Contudo, na sexta-feira (15) a força naval do Exército Popular de Libertação chinês testou ataques contra alvos convencionais, inclusive drones.

A China tem demonstrado irritação com as patrulhas norte-americanas de "liberdade de navegação" no disputado mar do Sul da China.

Um general dos EUA fez uma declaração sutil no final de maio — intencionalmente ou não — de que os militares dos EUA "têm muita experiência de tomar pequenas ilhas no Pacífico Ocidental". A China vem construindo pequenas ilhas em partes disputadas do mar, erigindo infraestruturas civis e militares, para consternação dos EUA e de vários países da Ásia que também têm reivindicações sobre estas áreas.

Algumas zonas no mar do Sul da China e no mar da China Oriental são disputadas por tais países como o Brunei, China, Filipinas, Japão, Malásia, Taiwan e Vietnã.

A China considera as ilhas Spratly como seu território, embora o Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia tenha estabelecido que não há bases legais para tais reclamações.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas