Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Mídia: EUA não vão intervir no sul da Síria para apoiar forças da oposição a Assad

As facções rebeldes sírias não devem contar com o apoio dos EUA em sua luta contra as tropas do governo no sul da Síria, segundo uma mensagem de Washington obtida pela agência de notícias Reuters.


Sputnik

"Você não deve basear suas decisões na pressuposição ou expectativa de uma intervenção militar nossa", disse a mensagem enviada de forma particular, acrescentando que o governo dos EUA "entende as condições difíceis que você está enfrentando".

Um combatente do Exército Livre da Síria é visto na área de Yadouda em Deraa, na Síria, em 29 de maio de 2018.
Combatente do Exército Livre da Síria © REUTERS / Alaa Al-Faqir/File Photo

As declarações foram feitas depois que o Ministério da Defesa da Rússia informou que pelo menos cinco soldados sírios foram mortos e outros 19 feridos em um ataque da Frente al-Nusra às forças do governo na zona de desescalada no sul.

O Ministério observou que os comandantes de campo do Exército Livre da Síria (FSA), que recentemente anunciou apoio ao governo legítimo do país após anos lutando ao lado da oposição, pediram ajuda a Damasco por meio do Centro Russo para a Reconciliação Síria.

Segundo a pasta, as unidades do FSA se juntaram às forças do governo em 11 assentamentos no sul do país para combater os militantes da Frente al-Nusra e Daesh (autodenominado Estado Islâmico).

Zonas de desescalada

A situação na área aumentou agora que o Exército sírio lançou uma operação antiterrorista na região.

No início desta semana, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, expressou a esperança de que a Rússia "faça sua parte para respeitar e reforçar o cessar-fogo [na Síria] que ajudou a estabelecer". Haley também pediu à Rússia "que use a influência que precisa para deter qualquer ação desestabilizadora no sudoeste e na Síria".

Com a maior parte do território já liberada pelas forças do governo apoiadas pela Força Aérea Russa, a Síria ainda ainda tem bolsões controlados por terroristas, principalmente nas áreas a sudoeste protegidas pelos EUA.

Um total de quatro zonas de desescalação foram estabelecidas na Síria após as negociações de paz de Astana, incluindo uma zona de desescalada no sul, localizada nas províncias de Daraa e Quneitra.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas