Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

Palavras que não valem nada? Analista sobre o 'reconhecimento' da Crimeia por Trump

Segundo os jornalistas, o presidente dos EUA, Donald Trump, não descartou a possibilidade de considerar a Crimeia como parte integrante da Rússia. O analista Stanislav Byshok comentou essa declaração de Trump.


Sputnik

Em 29 de junho, durante seu briefing na Casa Branca, Trump não descartou reconhecer a Crimeia como parte da Rússia, bem como retirar as sanções aplicadas a Moscou.

Resultado de imagem para ponte da crimeia
Ponte da Crimeia

"É um estilo comum de Trump – mostrar incerteza e que tudo pode mudar […] Para os EUA em geral e para o próprio Trump a Crimeia não representa um grande valor, porque tem outras tarefas", afirmou o especialista ao canal RT.

Segundo Byshok, o presidente dos EUA entende que a península da Crimeia é importante para a Rússia e, por isso, no contexto do futuro encontro com o presidente da Rússia Vladimir Putin, decidiu "ampliar o espaço para a incerteza e oportunidades".

"Entretanto, há que entender que Trump não é uma pessoa omnipotente, no país existe um sistema de freios e contrapesos. Consequentemente, mesmo que desejasse com todo o seu coração reconhecer a Crimeia [como parte integrante da Rússia], levantar as sanções e assim por diante, isso não acontecerá", explicou o analista.

Ele acrescentou que entre os Partidos Democrata e Republicano dos EUA ainda há um "estável consenso antirrusso", por isso agora é impossível que Washington levante as sanções ou reconheça a Crimeia.

"O objetivo de Trump é ser reeleito para o próximo mandato. Por isso não deve brigar, pelo menos, com sua base, o Partido Republicano. Tendo em consideração que os republicanos acham que a Rússia é um Estado hostil […] nenhuma coisa vai ser reconhecida. Mas Trump, sendo negociador experiente, pode faz essas reverências que não valem nada", concluiu ele.

Desde 2014, as relações entre Moscou e Washington se deterioraram devido à crise na Ucrânia e à reunificação da Crimeia à Rússia após um referendo. Os Estados Unidos e seus aliados não reconhecem os resultados do referendo, mas a Rússia sustenta que o plebiscito foi realizado em plena conformidade com o direito internacional.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas