Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Pentágono possui 'ideias ocultas' em relação à 'contenção' da Rússia no Ártico?

Recentemente, o vice-chefe do Pentágono James Mattis afirmou que os EUA devem ‘elevar seu jogo no Ártico para novo nível’. Em uma entrevista à Sputnik, o cientista Aleksandr Danilov manifestou a opinião que falar sobre uma necessidade de conter a Rússia no Ártico é pelo menos indelicado.


Sputnik

Segundo afirmou Mattis, uma das mudanças na política estadunidense nesta região poderia ser o aumento da presença da Guarda Costeira dos EUA.

Submarinos norte-americanos USS Connecticut e USS Hartford emergem do gelo no Ártico
Submarinos norte-americanos USS Connecticut e USS Hartford emergem do gelo no Ártico © Foto: Marinha dos EUA

Mais cedo, os militares norte-americanos afirmavam que o país estava estudando as possibilidades para a contenção da Rússia no Ártico.

Nos últimos anos, a Rússia tem retomado o desbravamento ativo dos seus territórios do Norte, inclusive no que se trata da exploração de hidrocarbonetos, e o desenvolvimento da Rota Marítima do Norte, que está se tornando uma alternativa às rotas tradicionais da Europa para a Ásia.

Os interesses russos no Ártico são defendidos por toda uma série de meios, inclusive de caráter militar, tomando em consideração a elevada atenção prestada à região pelos países-membros da OTAN.

A parte russa ressaltou repetidamente que não está efetuando uma militarização do Ártico, mas está se preparando para responder a um leque vasto de potenciais ameaças.

O especialista em assuntos ligados à região do Ártico, Aleksandr Danilov, falou com o serviço russo da Rádio Sputnik sobre as recentes medidas anunciadas por parte dos EUA.

"Em relação ao Ártico, os EUA têm várias 'ideias ocultas'. Mas como se pode 'conter' a Rússia no Ártico? A Rússia está lá, como se diz, nas suas águas, nas suas terras. Já construiu lá uma base militar e vai desenvolvendo a navegação, tudo isso conforme o direito internacional. A Rússia não está ultrapassando nenhum limite para que se possa falar sobre sua 'contenção", explicou.

Deste modo, ressaltou, se trata evidentemente de declarações "agressivas" por parte dos norte-americanos.

"Nem consigo supor o que é que eles temem em relação às ações russas no Ártico. Sim, a Rússia renovou o local de seu baseamento militar, estamos nos defendendo — temos algo a defender. Seria melhor se os norte-americanos ratificassem a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Mais de 100 países o fizeram muitos anos atrás, enquanto os norte-americanos se comportam como se fossem crianças: do tipo, não quero, vou continuar de meu jeito. Supõe-se que no Ártico, nas águas da Rota Marítima do Norte, eles possam navegar sem qualquer autorização, como quiserem. Mas nas águas do Ártico há outras regras, de caráter internacional, e têm que as seguir", resumiu.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas