Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Pentágono possui 'ideias ocultas' em relação à 'contenção' da Rússia no Ártico?

Recentemente, o vice-chefe do Pentágono James Mattis afirmou que os EUA devem ‘elevar seu jogo no Ártico para novo nível’. Em uma entrevista à Sputnik, o cientista Aleksandr Danilov manifestou a opinião que falar sobre uma necessidade de conter a Rússia no Ártico é pelo menos indelicado.


Sputnik

Segundo afirmou Mattis, uma das mudanças na política estadunidense nesta região poderia ser o aumento da presença da Guarda Costeira dos EUA.

Submarinos norte-americanos USS Connecticut e USS Hartford emergem do gelo no Ártico
Submarinos norte-americanos USS Connecticut e USS Hartford emergem do gelo no Ártico © Foto: Marinha dos EUA

Mais cedo, os militares norte-americanos afirmavam que o país estava estudando as possibilidades para a contenção da Rússia no Ártico.

Nos últimos anos, a Rússia tem retomado o desbravamento ativo dos seus territórios do Norte, inclusive no que se trata da exploração de hidrocarbonetos, e o desenvolvimento da Rota Marítima do Norte, que está se tornando uma alternativa às rotas tradicionais da Europa para a Ásia.

Os interesses russos no Ártico são defendidos por toda uma série de meios, inclusive de caráter militar, tomando em consideração a elevada atenção prestada à região pelos países-membros da OTAN.

A parte russa ressaltou repetidamente que não está efetuando uma militarização do Ártico, mas está se preparando para responder a um leque vasto de potenciais ameaças.

O especialista em assuntos ligados à região do Ártico, Aleksandr Danilov, falou com o serviço russo da Rádio Sputnik sobre as recentes medidas anunciadas por parte dos EUA.

"Em relação ao Ártico, os EUA têm várias 'ideias ocultas'. Mas como se pode 'conter' a Rússia no Ártico? A Rússia está lá, como se diz, nas suas águas, nas suas terras. Já construiu lá uma base militar e vai desenvolvendo a navegação, tudo isso conforme o direito internacional. A Rússia não está ultrapassando nenhum limite para que se possa falar sobre sua 'contenção", explicou.

Deste modo, ressaltou, se trata evidentemente de declarações "agressivas" por parte dos norte-americanos.

"Nem consigo supor o que é que eles temem em relação às ações russas no Ártico. Sim, a Rússia renovou o local de seu baseamento militar, estamos nos defendendo — temos algo a defender. Seria melhor se os norte-americanos ratificassem a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Mais de 100 países o fizeram muitos anos atrás, enquanto os norte-americanos se comportam como se fossem crianças: do tipo, não quero, vou continuar de meu jeito. Supõe-se que no Ártico, nas águas da Rota Marítima do Norte, eles possam navegar sem qualquer autorização, como quiserem. Mas nas águas do Ártico há outras regras, de caráter internacional, e têm que as seguir", resumiu.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas