Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

'Turquia encontrará alternativa': Ancara responde à decisão dos EUA sobre caças F-35

Ancara prometeu encontrar alternativas após o Senado dos EUA ter decidido excluí-la do programa de produção do caça F-35 e disse que não iria desistir dos sistemas S-400 russos apesar da medida.


Sputnik

Ontem (18), o Senado norte-americano adotou o projeto de orçamento para 2019 que prevê a suspensão da participação da Turquia no programa de produção do caça F-35 devido às intenções de Ancara de adquirir sistemas de defesa aérea russos S-400. Entre outras razões da medida, Washington mencionou também a detenção do pastor americano Andrew Brunson na Turquia.

Caça norte-americano da quinta geração F-35
F-35 Lightining II © AP Photo / Ross D. Franklin

"É um desenvolvimento desagradável da situação. Mas a Turquia encontrará uma alternativa. Ficamos tristes por ver tais ações por parte dos EUA, pois contradizem a ideia de parceria estratégica", afirmou o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, citado pelo canal de TV NTV.

O chanceler turco, Mevlut Cavusoglu, também declarou que Ancara não desistirá de comprar os sistemas S-400 russos apesar da decisão do Senado americano.

"É no estilo do Ocidente, criar crises artificiais. Pensam que quando querem podem vender e quando não querem — não vender. A Turquia abandonou este esquema de relações", comentou o ministro turco ao NTV.

Segundo ele, possíveis sanções por causa da compra de S-400 russos são um rumo errado que apenas levará a uma crise nas relações.

A Turquia participa do projeto de produção do F-35 junto com outros oito países. O país deveria investir no desenvolvimento da aeronave cerca de 11 bilhões de dólares, dos quais Ancara já encaminhou cerca de $800 milhões. Os EUA, por sua parte, deveriam fornecer à Turquia 100 caças de quinta geração.

As relações entre Ancara e Washington se agravaram em dezembro de 2017, quando representantes russos e turcos assinaram um contrato de fornecimento de sistemas S-400. Os Estados Unidos e outros países-membros da OTAN criticaram repetidamente a Turquia pela decisão, afirmando que tal poderia afetar a entrega dos F-35 a Ancara.

Comentários

Postagens mais visitadas