Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Ucrânia realiza treinamentos militares perto da Crimeia

A Marinha da Ucrânia realizou exercícios no território da região de Kherson, perto da fronteira com a península da Crimeia, segundo informou a Marinha da Ucrânia no Facebook na quarta-feira (27).


Sputnik

"O objetivo do evento visa a defesa da costa marítima e a destruição do adversário que realiza uma ofensiva a partir dos territórios ocupados", diz a mensagem.

Barco de mísseis Priluki da Marinha da Ucrânia
Lancha de mísseis Priluki da Marinha da Ucrânia © Sputnik / Vasiliy Batanov

Nota-se que os artilheiros treinaram a eliminação de alvos nas áreas de povoações "temporariamente ocupadas". Foi dedicada uma atenção especial à ação dos artilheiros em condições de baixa visibilidade e durante a noite, afirmou o comando.

Em 19 de junho, o conselheiro do ministro dos Assuntos dos Territórios Ocupados da Ucrânia, Aleksandr Levchenko, disse que, se a Rússia não permitir que a Ucrânia retome o controle das regiões de Donetsk e Lugansk, Kiev partirá para o "Plano B" e se voltará para a Crimeia.

A Crimeia foi reintegrada no território russo em março de 2014 em sequência dos resultados do referendo em que a grande maioria dos residentes votaram a favor da adesão à Rússia. Kiev e os países ocidentais se recusaram a reconhecer os resultados do plebiscito. Moscou sublinha que o procedimento de reintegração da região cumpriu as normas do direito internacional.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas