Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Venezuela reitera denúncia de planos de agressão a partir da Colômbia

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou hoje a preservar a integridade da nação ao reiterar a denúncia de um suposto plano de agressão a partir da Colômbia.


Prensa Latina
Caracas - 'Devemos estar preparados para garantir a integridade territorial, a oligarquia colombiana pretende gerar um falso positivo para perturbar a paz da Venezuela. 'Ninguém durma em seus louros! Queremos paz com independência, paz com justiça, paz com igualdade. Alerta!', escreveu o governante na rede social Twitter.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro | Reprodução

Ao comemorar ontem o aniversário 197 da batalha de Carabobo, o chefe de Estado alertou que a partir da Colômbia se prepara uma agressão contra a Venezuela, promovida pelo Governo dos Estados Unidos, e que pretendem justificar com falsos positivos.

Maduro precisou que o plano é impulsionado pelos Estados Unidos, em aliança com a oligarquia colombiana e políticos e militares da reserva venezuelanos.

Além disso, chamou a fortalecer a união para proteger a independência, a liberdade, a soberania, a integridade territorial e a autodeterminação nacional, que são direitos irrenunciáveis da nação e estão estabelecidos na Constituição.

Comentários

Postagens mais visitadas