Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Analista: míssil russo Kinzhal é fruto da má vontade dos EUA de discutir defesa antimíssil

O novíssimo míssil russo Kinzhal supera as capacidades do Iskander, afirmou uma fonte da indústria militar. O analista Viktor Baranets não tem dúvidas de que o exército russo vem se reforçando para derrotar inimigos.


Sputnik

Uma fonte da indústria militar russa detalhou que o míssil hipersônico Kinzhal é capaz de atingir alvos a distâncias três vezes maiores do que as do seu protótipo terrestre — o míssil tático operacional Iskander, agregando que o Kinzhal, instalado em caças MiG-31K, possui um alcance de 1,5 mil quilômetros.

Caça MiG-31 com mísseis hipersônicos Kinzhal
MiG-31 Foxhound russo com míssil Kinzhal | © Sputnik / Grigory Sysoev

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o analista militar, Viktor Baranets, revelou as vantagens do míssil.

"Ele surpreende não somente pela velocidade supersônica, que dificulta muito sua destruição pelos sistemas de defesa antiaérea e antimíssil do inimigo. Ele também é interessante pelo fato de que o avião MiG-31 decola do aeródromo, atinge uma velocidade supersônica e sem entrar na zona de alcance dos sistemas de defesa antiaérea e antimíssil inimigos, a dois ou até três quilômetros, lança esse míssil e volta para casa. É uma vantagem muito séria: uma divisão dos Iskander não conseguiria ser deslocada tão rapidamente das posições iniciais, já o avião pode fazê-lo e na mesma velocidade supersônica voltar para casa. Esse míssil continua sendo aprimorado. Ao ganhar o Kinzhal, o exército russo ganha mãos muito compridas para destruir alvos inimigos e armas, contra a qual os nossos possíveis inimigos não possuem antídoto", destacou.

Para o analista militar, a criação da arma em questão foi impulsionada pela falta de interesse dos EUA de dialogar.

"Não entramos na corrida armamentista. Como disse o presidente Vladimir Putin, só encontramos um meio de reação depois de os norte-americanos terem se recusado a discutir conosco a defesa antimíssil na Europa, como eles começaram a aperfeiçoar as suas forças nucleares estratégicas. O Kinzhal foi gerado pela recusa dos norte-americanos de discutir as regras do jogo. Já repetimos mil vezes: precisamos discutir a defesa antimíssil na Europa, porque ela neutraliza o nosso potencial de mísseis em caso de um conflito sério. Mas os norte-americanos de todos os modos descartaram essas propostas. Assim surgiu a ideia de encontrar um antídoto. E surgiu não só o Kinzhal, mas também o Sarmat, o Avangard etc. Não porque os russos não têm em que gastar dinheiro — simplesmente tentamos encontrar armas que respondam adequadamente a ameaças", concluiu Baranets.

O míssil Kinzhal, entre outras armas, foi apresentado pelo presidente russo, Vladimir Putin, no dia 1º de março durante o discurso perante o parlamento.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas