Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Ataques israelenses em Gaza continuam entre alertas em Israel

O Exército israelense continuou os ataques a vários "alvos terroristas" em Gaza neste sábado, quando foram novamente ativadas as sirenes antiaéreas em comunidades de Israel adjacentes ao enclave e após o disparo de pelo menos 31 projéteis por milícias palestinas na última noite.


EFE

Jerusalém - As Forças Armadas informaram em comunicado que estavam "atacando alvos terroristas" na Faixa durante esta manhã, quando voltaram a soar os alertas aéreos nas regiões israelenses de Sha'ar HaNeguev, Eshkol e Hof Ashkelon por disparos.
Resultado de imagem para Ataques israelenses em Gaza
Ataque israelense em Gaza | Reprodução

A nova rodada de ataques de Gaza foi seguida por uma noite de bombardeios sobre "várias posições militares", incluindo "um complexo utilizado para preparar ataques terroristas incendiários", uma instalação de treino e dois túneis no norte e no sul do enclave, após o lançamento de 31 projéteis palestinos, seis deles interceptados pelo sistema antimísseis Cúpula de Ferro.

"O bombardeio foi realizado em resposta aos atos terroristas durante os distúrbios violentos ocorridos ontem ao longo da cerca de segurança, além dos contínuos ataques incendiários que danificam o território israelense diariamente com o lançamento de projéteis da Faixa", declarou o Exército, que responsabiliza o Hamas pelas agressões.

Fawzi Barhoum, porta-voz do movimento islâmico que controla a Faixa desde 2007, disse em comunicado que o Hamas "manda uma mensagem clara (a Israel) e garante o equilíbrio da dissuasão rápida para obrigar o inimigo a deter a escalada".

O braço armado do grupo, as Brigadas de Ezzedine al Qassam, responsabilizou completamente as autoridades israelenses por "mais agressões sobre Gaza" e advertiu que "pagarão um alto preço pela obstinação".

Enquanto isso, o movimento Jihad Islâmica, o segundo maior na Faixa, afirmou que a "resistência não hesitará em responder a qualquer agressão contra Gaza": "O tempo que passou sem resposta terminou", acrescentou.

A tensão é alta na linha divisória desde o dia 30 de março, quando começaram as manifestações que reivindicam o direito ao retorno e contra o bloqueio imposto à Faixa, nas quais morreram 139 palestinos, a maioria nos protestos. Israel considera que o movimento islâmico Hamas utiliza essas manifestações para se infiltrar e cometer ataques "terroristas".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas