Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

'EUA buscam motivar golpe de Estado na Venezuela', diz especialista

O analisa internacional, Basem Tajeldine, comentou à Sputnik sobre os relatos de que o presidente dos EUA, Donald Trump, teria promovido em reuniões uma invasão militar na Venezuela.


Sputnik

Em 4 de julho, a agência de notícias AP publicou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promoveu a ideia de uma invasão militar na Venezuela em várias reuniões. A Sputnik consultou o analista internacional Basem Tajeldine, que assegurou que isso diz respeito a "uma chantagem que busca motivar uma desestabilização interna e motivar um golpe de estado".

Partidários do presidente Nicolás Maduro protestam contra as políticas norte-americanas em Caracas
Protestos na Venezuela em apoio a Nicolás Maduro © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

"Eu não acho que a nota da AP seja um fato isolado […] isso pode ser parte das pressões para motivar uma desestabilização interna de nossas Forças Armadas, mas que os EUA vão diretamente para uma agressão, eu vejo isso como descartado por enquanto", ele explicou.

O artigo faz referência a em uma reunião no Salão Oval em agosto de 2017, em que Trump teria perguntado por que não invadir a Venezuela. "A pergunta surpreendeu os presentes na reunião, que explicaram as desvantagens de tal decisão", informou o artido.

Em uma entrevista coletiva em 11 de agosto, Trump disse que não descartava uma "opção militar". O presidente proporia o plano militar em mais outras duas ocasiões, um deles ao presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que garantiu que "uma invasão teria apoio zero na região".

Tajeldine explicou que os EUA têm "asfixiado a Venezuela economicamente, diplomaticamente e politicamente, levando o país a condições muito adversas, mas, no entanto, ainda as condições para invadir ainda não foram criadas".

"Em outros países do Oriente Médio, no norte da África, foi criada uma situação de verdadeiro desastre de guerra civil ou invasão mercenária, que não existe aqui na Venezuela", afirmou.

"É conveniente para os EUA agitar toda a região? É conveniente para eles realizarem essa aventura militar na região que sempre chamaram de 'quintal', onde não poderiam ter controle sobre as conseqüências que isso geraria, e especialmente quando alguns espaços geopolíticos começam a mudar negativamente para eles?", questionou ele.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas