Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

EUA precisam de 'ameaça russa' para financiar Pentágono, diz analista

Os EUA alegam a existência de uma "ameaça terrível" por parte da Rússia, em particular na esfera de cibersegurança, com o objetivo de exercer influência sobre as decisões em relação ao financiamento do Pentágono e dos serviços de inteligência norte-americanos, opina o especialista militar Aleksei Leonkov.


Sputnik

Anteriormente, foi declarado que no Cibercomando dos EUA foi criado um grupo de trabalho especial para enfrentar a Rússia na esfera da cibersegurança. Conforme o general Paul Nakasone, que estabeleceu o comando, a Rússia possui grandes capacidades no ciberespaço às quais "teremos que fazer frente" e "se isso acontecer, sem dúvida que o faremos".

Crime cibernético de hackers
CC0 / Pixabay

"O fato de os EUA terem criado um grupo para fazer frente à Rússia em cibersegurança não é surpreendente. Eles classificam as guerras no ciberespaço como guerras híbridas que representam ameaça para os países-membros da OTAN. A Rússia na verdade tem vindo a analisar as questões de cibersegurança. Os norte-americanos, valendo-se da russofobia e de acusações infundadas à Rússia, tentam influenciar aqueles que contribuem para o orçamento do Pentágono e da comunidades de inteligência. Com este fim traçam uma 'ameaça terrível' por parte da Rússia", disse Leonkov.

Conforme notou o especialista, o problema dos hackers tem um caráter internacional, já que os hackers não têm vínculos a um país particular. Por isso, não se pode acusar de ciberataques nenhum Estado sem provas, é necessário analisar e dialogar com base em provas.

De acordo com Leonkov, a Rússia tem dito isso repetidamente e exigiu que os EUA apresentassem provas do envolvimento de alegados "hackers russos" em ciberataques no território americano. Mas tais provas nunca foram apresentadas.

"É mau porque tais acusações infundadas começam a fazer parte de documentos sérios. De tal modo, a mentira ganha um caráter oficial e os EUA podem usar tais documentos para justificar as suas ações contra a Rússia", acrescentou o analista.

O reforço da proteção na área de cibersegurança foi adotado nos EUA em meio às acusações de envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais em 2016 e tentativas de intervir nas futuras eleições para o Congresso em 2018.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas