Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Lei israelense que congela fundos à Palestina é 'declaração de guerra', diz porta-voz

As autoridades palestinas interpretam nova lei israelense estipulando o congelamento de fundos para a Palestina como uma "declaração de guerra" contra seu povo, disse o porta-voz do líder palestino Mahmoud Abbas, Nabil Abu Rudeineh.


Sputnik

"Se esta decisão for implementada, isso resultará na adoção de decisões importantes pela Palestina para neutralizar essa decisão perigosa, porque a questão diz respeito às linhas vermelhas, que não devem ser abordadas nem cruzadas. [A decisão] é uma declaração de guerra ao povo da Palestina, seus defensores, prisioneiros, aqueles que pereceram, que carregavam uma bandeira de liberdade para o bem de Jerusalém e o estabelecimento do Estado Palestino independente", disse o porta-voz em um comunicado, citado pela agência de notícias Ma'an.

Bandeira da Palestina
Bandeira da Palestina © REUTERS / Juan Medina

Na segunda-feira, o Knesset adotou uma lei para congelar parcialmente os fundos transferidos mensalmente à Autoridade Palestina. A legislação estipula o congelamento de um montante equivalente a 1/12 do total de fundos pagos a prisioneiros palestinos e suas famílias no ano anterior.

De acordo com o projeto de lei, se for estabelecido que o lado palestino deixou de fazer tais pagamentos, o gabinete será autorizado a decidir se e quando os fundos congelados serão transferidos. Segundo os parlamentares, o próprio pagamento de fundos aos prisioneiros é uma "expressão de apoio a atos de terror".

As relações entre Israel e a Palestina estão tensas há décadas envolvendo a busca palestina reconhecimento diplomático por seu Estado independente nos territórios da Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, parcialmente ocupada por Israel, e a Faixa de Gaza.

Comentários

Postagens mais visitadas