Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Marinha Chinesa planeja instalar ‘railgun’ eletromagnético em destróier

A Marinha Chinesa planeja equipar com um canhão eletromagnético um segundo tipo de navio de guerra de superfície, antes que a Marinha dos Estados Unidos coloque uma arma desse tipo em um navio, segundo um relatório de inteligência dos EUA citado pela CNBC na semana passada.


Poder Naval

Em fevereiro, a Marinha do Exército de Libertação Popular (PLA Navy) tornou-se a primeira marinha do mundo a instalar um canhão eletromagnético (“Railgun”) em um navio de desembarque anfíbio.

Railgun chinês
Railgun chinês instalado em um navio de desembarque anfíbio

De acordo com um relatório de inteligência dos EUA, cujas seções vazaram para a CNBC na semana passada, a China deve instalar a arma em um destróier até 2025. Isso, de acordo com site Task and Purpose, seria “um grande golpe estratégico” para Pequim.

Por quase uma década, o Office of Naval Research (ONR) da Marinha dos EUA e várias empresas trabalharam para desenvolver um sistema railgun para navios dos EUA. Uma arma protótipo foi fabricada pela BAE Systems. Testes no Centro Naval de Guerra da Superfície da Marinha dos EUA em Dahlgren, Virgínia, foram considerados tão bem sucedidos que a Marinha estava planejando realizar mais testes da arma no mar a bordo de um navio Joint High Speed Vessel (JHSV).

O programa prometia entregar uma arma que poderia disparar projéteis em velocidades superiores a Mach 7, com um alcance que ultrapassava 100 milhas. O projétil de hipervelocidade de 23 libras (10,4 kg) projetado pelo railgun à Mach 7 tem 32 megajoules de energia – aproximadamente equivalente à energia necessária para acelerar um objeto pesando 1.000 quilos (1,1 toneladas americanas) a 252 metros por segundo (566 milhas por hora).

Mas o programa foi engavetado devido aos problemas orçamentários em curso do Departamento de Defesa e à perda de interesse no Escritório de Capacidades Estratégicas do DOD no financiamento de um maior desenvolvimento.

A China claramente observou o programa dos EUA com interesse, e a PLA Navy começou a trabalhar em seu próprio sistema de armas eletromagnéticas há cerca de cinco anos, de acordo com a fonte Dafeng Cao.

O navio de desembarque anfíbio (LST) Haiyang Shan foi equipado com contêineres dotados do hardware necessário para gerar as altas tensões exigidas por um railgun.

Esse sistema de energia dedicado é essencial, porque mesmo os navios de guerra chineses modernos não têm capacidade de geração elétrica para alimentar um railgun. Na verdade, apenas os destróieres de classe Zumwalt da Marinha dos EUA têm capacidade de geração suficiente de energia, uma vez que foram projetados pensando em empregar armas de alta energia no futuro.

Comentários

Postagens mais visitadas