Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

'Neste caso, tudo pode acontecer': analista comenta ameaças americanas ao Irã

O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou na segunda-feira (23) o Irã com consequências que "poucos sofreram algum dia na história". O cientista político russo Leonid Gusev opinou como a situação entre os dois países poderá se desenvolver.


Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional do presidente estadunidense, John Bolton, contou que falou na semana passada com Trump, e este prometeu que se o Irã agir de modo errado, "pagará um preço alto, que apenas poucos países do mundo pagaram".

As bandeiras nacionais dos EUA e do Irã
© AP Photo / Carlos Barria

Além disso, Trump através do Twitter advertiu Teerã sobre consequências que "poucos sofreram algum dia na história" se continuar ameaçando os EUA. Assim, o mandatário respondeu ao discurso do presidente iraniano, Hassan Rouhani, que apelou a Washington para "não brincar com fogo".

O cientista político russo Leonid Gusev falou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik sobre possíveis futuros cenários entre Teerã e Washington, lembrando que Trump criticou seu antecessor pela firmação do acordo nuclear iraniano durante sua campanha eleitoral.

Comentando sobre as medidas que os EUA poderão tomar contra o Irã, Gusev apontou para a reintrodução de sanções, descartando o uso de forças.

"Quanto ao uso de armamentos contra o Irã [pelos EUA], não se pode afirmar nada com certeza absoluta, pois a situação na região é em geral muito complicada […] Claro que nada pode ser negado. Talvez, tudo acabe em uma troca de ameaças verbais — assim como aconteceu com a Coreia do Norte, quando Trump continuou ameaçando, mas no último momento acabou se encontrando com [o líder norte-coreano] Kim Jong-un", disse Gusev.

Porém, acrescentou que o estado das coisas no Oriente Médio está pior do que na península coreana. Mesmo assim, o analista não descartou a possibilidade de algumas exceções.

"Neste caso, tudo pode acontecer", concluiu.

As relações entre Washington e Teerã se agravaram com a chegada ao poder de Donald Trump, que em maio deste ano anunciou a retirada dos Estados Unidos do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), conhecido como o acordo nuclear do Irã que deveria acabar com o programa nuclear de Teerã em troca do cancelamento das sanções internacionais contra o país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas