Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Netanyahu responde a Erdogan após comparação com Hitler

Em reação a lei que define Israel como Estado do povo judeu, presidente turco afirma que espírito do líder nazista ressuscitou no país. Em resposta, premiê israelense acusa Erdogan de transformar Turquia em ditadura.


Deutsch Welle

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, trocaram farpas nesta terça-feira (24/07), com Erdogan acusando Israel de ser o país mais racista e fascista do mundo e afirmando que o espírito de Adolf Hitler está presente em autoridades israelenses.

Recep Tayyip ErdoÄŸan e Benjamin Netanyahu
Erdogan (esq.) e Netanyahu: Turquia critica Israel regularmente por política em relação a palestinos

"Não há nenhuma diferença entre a obsessão de Adolf Hitler de uma raça ariana e a visão da liderança de Israel de que essa terra antiga pertence exclusivamente aos judeus", disse Erdogan. "O espírito de Hitler, que levou o mundo a uma catástrofe, ressuscitou em algumas autoridades israelenses."

Parte de um discurso de Erdogan a um grupo parlamentar em Ancara, as declarações foram recebidas com entusiasmo e gritos de "Maldito seja Israel" dos deputados. O presidente turco pediu ainda que o mundo "passe à ação contra Israel".

Em resposta também contundente, Netanyahu acusou Erdogan de massacrar sírios e curdos e prender dezenas de milhares de turcos, transformando a Turquia numa "ditadura sombria". Netanyahu afirmou que Israel vai manter direitos iguais para todos os seus cidadãos.

Os comentários inflamados de Erdogan são uma crítica a uma lei aprovada na última quinta-feira pelo Parlamento israelense, que define Israel como "a terra natal histórica do povo judeu", ao qual é atribuído o direito exclusivo à autodeterminação. A lei relega o árabe, que anteriormente era considerado uma das línguas oficiais, meramente a um status especial.

O governo turco já havia criticado a lei na semana passada, quando acusou as autoridades israelenses de tentarem estabelecer um "estado de apartheid". O mesmo argumento foi usado por legisladores árabes, que classificaram a legislação apoiada pelo governo de Netanyahu de racista.

As críticas do premiê israelense, por usa vez, dizem respeito à forte campanha de repressão a opositores implementada por Erdogan nos últimos dois anos, após uma tentativa de golpe militar. Ao menos 130 mil funcionários públicos turcos foram demitidos e mais de 1.500 pessoas foram condenadas à prisão perpétua. Cerca de 200 veículos de imprensa foram fechados.

Além disso, Erdogan acaba de assumir mais um mandato, agora sob o novo sistema presidencialista, com poderes concentrados nas mãos do presidente.

A Turquia critica Israel regularmente por conta da política israelense em relação a palestinos e locais de culto muçulmano em Jerusalém. Um ponto alto das tensões ocorreu em maio, quando Ancara convocou o embaixador de Israel na Turquia a deixar o país provisoriamente em resposta à morte de mais de 60 palestinos por soldados israelenses na fronteira com a Faixa de Gaza.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas