Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Por que edição norte-americana prevê futuro pouco animador para caça russo Su-57?

A renúncia do Ministério da Defesa da Rússia à produção em série do caça multifuncional russo de quinta geração Su-57 pode ser explicada pelos problemas com seus motores da primeira etapa AL-41F1, escreve o portal The Drive.


Sputnik

A edição norte-americana nota que o avião "não está pronto para produção em série por causa de problemas com o motor que podem perdurar por anos". "Os russos, parece, afinal perceberam que o motor AL-41F1 simplesmente não é bastante eficaz para o Su-57", nota o portal.

Caça da quinta geração Su-57
Sukhoi Su-57 © Sputnik / Aleksei Kudenko

Conforme o The Drive, o lançamento oportuno da produção em série dos motores de segunda etapa (Izdelie 30), que visam substituir o AL-41F1, vai falhar, por que há alguns problemas ligados ao "controle de qualidade geral" na companhia desenvolvedora das unidades propulsoras ODK Saturn.

Separadamente, o portal ressalta que há algumas dificuldades financeiras relacionadas com o programa do Su-57 causados pela desistência da Índia de cooperar com a Rússia na criação conjunta do caça de quinta geração. Por isso, ele prevê um crescimento dos custos de produção em meio a uma demanda baixa do avião.

No entanto, a edição norte-americana admite que o desenvolvedor do caça, a empresa Sukhoi, está enfrentando as dificuldades típicas para estes projetos, que existem também nos EUA. O adiamento futuro do lançamento da produção em série do caça vai levar à desatualização do avião e à necessidade de elaborar modelos de sexta geração. Neste respeito, o The Drive opina que o caça perspectivo pode se tornar uma plataforma para testar tecnologias experimentais.

Em julho de 2018, o vice-premiê do governo russo, Yuri Borisov, declarou que por o "Su-35 ser considerado um dos melhores aviões do mundo", "não faz sentido acelerar os trabalhos de produção em massa do avião de quinta geração". Além disso, os trabalhos de testes e construção do Su-57 devem ser finalizados até 2019. Também para o mesmo período está planejado o início do fornecimento dos aviões para o exército e a primeira remessa poderia consistir de 12 aparelhos.

Comentários

Postagens mais visitadas