Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Por que edição norte-americana prevê futuro pouco animador para caça russo Su-57?

A renúncia do Ministério da Defesa da Rússia à produção em série do caça multifuncional russo de quinta geração Su-57 pode ser explicada pelos problemas com seus motores da primeira etapa AL-41F1, escreve o portal The Drive.


Sputnik

A edição norte-americana nota que o avião "não está pronto para produção em série por causa de problemas com o motor que podem perdurar por anos". "Os russos, parece, afinal perceberam que o motor AL-41F1 simplesmente não é bastante eficaz para o Su-57", nota o portal.

Caça da quinta geração Su-57
Sukhoi Su-57 © Sputnik / Aleksei Kudenko

Conforme o The Drive, o lançamento oportuno da produção em série dos motores de segunda etapa (Izdelie 30), que visam substituir o AL-41F1, vai falhar, por que há alguns problemas ligados ao "controle de qualidade geral" na companhia desenvolvedora das unidades propulsoras ODK Saturn.

Separadamente, o portal ressalta que há algumas dificuldades financeiras relacionadas com o programa do Su-57 causados pela desistência da Índia de cooperar com a Rússia na criação conjunta do caça de quinta geração. Por isso, ele prevê um crescimento dos custos de produção em meio a uma demanda baixa do avião.

No entanto, a edição norte-americana admite que o desenvolvedor do caça, a empresa Sukhoi, está enfrentando as dificuldades típicas para estes projetos, que existem também nos EUA. O adiamento futuro do lançamento da produção em série do caça vai levar à desatualização do avião e à necessidade de elaborar modelos de sexta geração. Neste respeito, o The Drive opina que o caça perspectivo pode se tornar uma plataforma para testar tecnologias experimentais.

Em julho de 2018, o vice-premiê do governo russo, Yuri Borisov, declarou que por o "Su-35 ser considerado um dos melhores aviões do mundo", "não faz sentido acelerar os trabalhos de produção em massa do avião de quinta geração". Além disso, os trabalhos de testes e construção do Su-57 devem ser finalizados até 2019. Também para o mesmo período está planejado o início do fornecimento dos aviões para o exército e a primeira remessa poderia consistir de 12 aparelhos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas