Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Radicais sírios entregam seus tanques e armas ligeiras a Damasco

Ao longo das últimas duas semanas na província de Daraa, combatentes sírios entregaram ao exército do país 26 tanques, além de centenas de unidades de armas ligeiras, comunicou o chefe do Centro Russo de Reconciliação na Síria, major-general Aleksei Tsygankov.


Sputnik

De acordo com ele, no âmbito da trégua, nos povoados de Tafas, Nasib, Bosra, e na própria Daraa, os radicais entregaram cerca de 300 metralhadoras e fuzis de assalto, mais de 30 morteiros, obuses, mísseis antitanque, mais de 80 granadas antitanque de mão, bem como 21 tanques T-55 e cinco tanques T-72.

Tanque T-72 (foto de arquivo)
Tanque T-72 © Sputnik / Aleksandr Kondratuk

Caso a inspeção das Tropas de Engenharia sírias qualifique as armas como aptas para combate, o equipamento militar pode ser incorporado ao exército da República Árabe.

Além disso, Tsygankov assinalou que os radicais que entregaram as armas desejam voltar à vida civil, enquanto alguns querem aderir ao exército sírio.

"A maioria dos comandantes de campo agora se dão conta de que a luta armada já não tem sentido. Estão tomando decisões corretas salvando a gente, salvando as cidades de serem destruídas", afirmou o general russo.

Um dos combatentes, Mohamed Barada, contou que queria voltar à vida que tinha antes, já que "não queria combater mais".

"Nós aceitamos as propostas de todos os lados, do exército sírio, de seu exército [russo], para sair desta situação complicada que estamos enfrentando agora. Espero que, depois de depor as armas, possamos viver uma vida normal como nossos vizinhos", comentou Barada em entrevista a jornalistas.

Em resultado das conversações bem sucedidas entre oficiais russos e radicais da área, o exército sírio passou a controlar sem combates dezenas de vilas e povoados, bem como a maior parte da fronteira com a Jordânia na província de Daraa. Os combates com o Daesh e Frente Al-Nusra (organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países) continuam no oeste na província de Daraa e Quneitra.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas