Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Reino Unido lança novo caça Tempest para substituir o Typhoon

Governo vai gastar 2 bilhões de libras para desenvolver aeronaves entre hoje e 2025


Poder Aéreo

O secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, revelou planos para um novo jato de combate da RAF, o Tempest, que eventualmente substituirá o Eurofighter Typhoon.

Reprodução

Falando no show aéreo de Farnborough, Williamson revelou um modelo do jato de combate de sexta geração que o Ministério da Defesa (MoD) espera emergir de sua nova estratégia aérea de combate, projetada para manter o status do Reino Unido no chamado “primeiro nível” (Tier 1) de poder militar após o Brexit.

“Esta é uma estratégia para manter o controle do ar, tanto em localmente como no exterior, para permanecer um líder global no setor”, disse Williamson.

Ele disse que queria que o Tempest estivesse voando ao lado da atual frota de Typhoons e dos F-35s fabricados nos EUA até 2035.

O governo disse que gastaria 2 bilhões de libras esterlinas para desenvolver a aeronave entre agora e 2025, usando dinheiro reservado em 2015 para as futuras tecnologias de combate aéreo.

O jato será potencialmente capaz de operar de forma não tripulada, de acordo com os planos divulgados pelo MoD, e terá a próxima geração de tecnologia a bordo, projetada para lidar com as ameaças modernas.

Isso incluirá a tecnologia de “enxames” que usa inteligência artificial e aprendizado de máquina para atingir seus alvos, bem como armas de energia dirigida (DEW), que usam feixes concentrados de energia de laser, microondas ou feixe de partículas para causar danos.

O Tempest será construído por um consórcio composto pela empresa britânica de defesa BAE Systems, pela fabricante de motores Rolls-Royce, pela empresa aeroespacial italiana Leonardo e pela fabricante de mísseis pan-europeia MBDA.

No entanto, não haverá confirmação da falange dos fornecedores necessários para a construção do jato até 2025, com capacidade operacional que deverá seguir uma década depois disso.

Williamson disse que a estratégia aérea de combate do governo ajudaria a garantir que o Reino Unido fosse um líder mundial no setor aéreo de combate, que apoia 18.000 empregos no Reino Unido.

“A indústria britânica de defesa é um grande contribuinte para a prosperidade do Reino Unido, criando milhares de empregos em um setor próspero de manufatura avançada e gerando uma capacidade soberana do Reino Unido que é a melhor do mundo”, disse ele.

FONTE: The Guardian

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas