Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Venezuela está disposta a 'defender soberania e independência de Nicarágua'

Jorge Arreaza, chanceler da Venezuela, avisou da capital nicaraguense, Manágua, que o presidente Nicolás Maduro está disposto a apoiar a Nicarágua em defesa de sua soberania se for necessário.


Sputnik

"Se [nós] o povo bolivariano, os revolucionários da Venezuela, tivéssemos que vir à Nicarágua para defender a soberania e a independência nicaraguense, e oferecer nosso sangue pela Nicarágua, iríamos como Sandino, até à montanha de Nueva Segovia", expressou Arreaza.

Manifestações contra o governo de Daniel Ortega na Nicarágua.
Manifestação contra o governo de Daniel Ortgega, na Nicarágua © REUTERS / Oswaldo Rivas

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela fez essas declarações durante a comemoração dos 39 anos do triunfo da Revolução Sandinista em Nicarágua, país para o qual viajou em 19 de julho.

O socialismo, enfatizou Arreaza, é o caminho certo, e assegurou que a Venezuela passou por uma situação semelhante da qual a Nicarágua enfrenta desde abril deste ano.

"Caros compatriotas, dizemos-lhes porque vivemos essa mesma experiência que vocês vivem nos últimos meses, nós as chamamos de guarimbas [termo para protesto popular], agressões, que com o apoio e interferência dos EUA queriam derrubar o governo do presidente Maduro, mas aplicamos o conceito de paciência estratégica e obtivemos a paz e o diálogo", destacou Arreaza.

A Nicarágua está passando por uma grave crise desde o último dia 18 de abril, quando começou uma onda de protestos contra o Governo que levaram a confrontos entre manifestantes e forças de segurança.

No início de julho, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos informou que 264 pessoas morreram desde o início dos protestos, enquanto a organização não governamental Associação Nicaraguense pró-Direitos Humanos, afirma que o número de mortes chegou a 351.

O governo de Ortega atribui o derramamento de sangue a setores violentos da oposição que tentam executar um "golpe suave" contra eles.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas