Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Análise do ‘novo’ caça iraniano revela fraquezas do F-5

Na última na terça-feira o Irã apresentou seu “novo” jato de combate chamado Kowsar, que afirma ser “100% feito no país” e capaz de transportar várias armas e realizar missões de apoio aéreo.


Poder Aéreo

No entanto, alguns especialistas militares acreditam que o jato de caça é apenas uma cópia de um F-5 produzido pela primeira vez nos Estados Unidos na década de 1970.

O Kowsar em voo
O Kowsar em voo

“A fuselagem parece ser um F-5 Tiger biposto, externamente inalterado. Embora possa ser fabricado localmente, é um projeto totalmente estrangeiro”, disse Justin Bronk, pesquisador especialista em poder aéreo e tecnologia na equipe de Ciências Militares do Royal United Services Institute.

“É um caça muito pequeno e leve com motores muito pequenos que limitam a potência de empuxo, uma capacidade interna muito baixa de combustível que limita a autonomia e um nariz muito pequeno que limita o tamanho e a potência do radar”, disse ele à Reuters.

“Todas essas restrições não serão alteradas pela atualização dos componentes internos. Embora você possa colocar um radar moderno ou uma aviônica moderna – pelos padrões iranianos –, ainda estará sujeita a todas as limitações da fuselagem do F-5”.

A Força Aérea do Irã tem se limitado a, talvez, algumas dúzias de aeronaves de ataque, usando modelos russos ou velhos aviões dos EUA, adquiridos antes da revolução iraniana de 1979.

O Irã enviou armas e milhares de soldados para a Síria para ajudar a apoiar as forças do presidente Bashar al-Assad, mas teve que confiar na Rússia para obter apoio aéreo devido à sua própria falta de uma força aérea poderosa.

A República Islâmica lançou em 2013 o que foi dito ser um novo caça a jato, chamado Qaher 313, mas alguns especialistas expressaram dúvidas sobre a viabilidade da aeronave na época.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas