Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Análise: Rússia frustra EUA pela alta demanda dos S-400

Atualmente os EUA estão frustrados e tentando de alguma forma frear o sucesso dos sistemas antiaéreos S-400, mas para isso é necessário analisar alguns pontos-chave da questão.


Sputnik

A intenção dos EUA é apenas uma, frear as compras do sistema russo, isso é o que afirmam os próprios congressistas americanos e a porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert, que reiterou a intenção a alto nível.

Os sistemas de mísseis S-400
S-400 Triumph © Sputnik / Anton Denisov

A situação ainda piorou quando surgiram os primeiros contratos com a China, Índia, Turquia e Arábia Saudita. Após a compra dos S-400 por estes países, os EUA encontraram nas sanções uma tentativa de frear o S-400. Nauert afirmou que os EUA "já deixaram claro que poderiam implementar sanções contra outros países e instituições" que planejassem comprar o sistema russo, como foi afirmado pela revista Military Watch.

O fato é que os EUA estão perdendo o mercado bélico e sua supremacia, como exemplo disso podemos citar que China e Índia há tempo que diversificam seus fornecedores e não compram armamentos exclusivamente aos EUA. Além disso, outros parceiros tradicionais dos EUA estão interessados no sistema russo, que é o caso da Turquia e da Arábia Saudita.

Por falar em supremacia aérea, não só a americana, como também a europeia, estariam ameaçadas caso as forças do Oriente Médio pudessem, de fato, possuir defesas mais modernas. Com isso, é possível notar que a propagação de sistemas antiaéreos potentes, como os S-400, afetariam diretamente os interesses dos países ocidentais, pois essa propagação causaria uma grande mudança no equilíbrio de poder em diferentes partes do mundo.

Outro detalhe importante, e que não pode deixar de ser citado, é o impacto econômico. Isso está relacionado com a demanda do S-400, pois quanto maior a demanda, maior será a rentabilidade e menor será o custo para a Rússia e para os parceiros estrangeiros.

Sendo assim, a frustração dos EUA envolve três aspectos, sendo eles o impacto econômico, a dificuldade que enfrentarão caso os exércitos de outros países utilizem o S-400 e o insulto tecnológico, pois Washington não possui nada comparável ao S-400 russo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas