Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

China: participação de manobras militares na Rússia não ameaça terceiros

A participação da China em manobras estratégicas Vostok 2018, na Rússia, não é dirigida contra outros países, assegurou nesta quinta-feira o porta-voz do ministério da Defesa da China, Wu Qian.


Sputnik

"Com relação à participação da China nos exercícios Vostok 2018 — essas manobras visam fortalecer e desenvolver relações de cooperação estratégica abrangente entre a Rússia e a China, bem como aprofundar a cooperação pragmática amistosa entre as Forças Armadas dos dois países. As manobras não são dirigidas contra outros países e não se relacionam à situação na região", disse o alto funcionário chinês.

Inauguração dos exercícios táticos conjuntos das forças especiais da Guarda Nacional da Rússia e da Polícia Armada do Povo da China (PAP) “Cooperação-2016”
Militares russos e chineses © Sputnik / Mikhail Voskresenskiy

Segundo Wu, as manobras conjuntas visam fortalecer a capacidade dos Exércitos russo e chinês de responder conjuntamente a todos os tipos de ameaças, bem como manter a paz e a estabilidade na região.

As manobras Vostok 2018 (Leste 2018) serão realizadas entre os dias 11 e 15 de setembro. Serão os maiores exercícios militares realizados pelas Forças Armadas da Rússia desde 1981.

Os exercícios, em uma de suas etapas, contarão com a participação das Forças Armadas da China e da Mongólia.

Na ocasião, Pequim pretende mobilizar 3.200 militares, mais de 900 unidades de maquinaria de guerra, além de 30 aeronaves e helicópteros.

Comentários

Postagens mais visitadas