Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Destino Taiwan? Caças J-16 se unem à Força Aérea chinesa

Uma nova esquadrilha de aviões de combate J-16 se juntou à Força Aérea do Exército Popular de Libertação da China como parte de possíveis operações contra Taiwan, de acordo com o South China Morning Post.


Sputnik

O J-16 é um bimotor de guerra eletrônica de dois lugares que a China considera ser um jato de 4ª geração plus. 

Resultado de imagem para j-16
Shenyang J-16 chinês

"Antes do J-16, [o Exército Popular de Libertação da China] dependia de um número limitado de Su-30 construídos na Rússia, enquanto o J-10 nacional não tem alcance e carga útil para se classificar como um verdadeiro caça de forte ataque", disse Collin Koh, da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, em 12 de agosto.

"No passado, a divisão de combate da Força Aérea do Exército Popular de Libertação chinês foi caracterizada mais como um braço defensivo, com alcance limitado e capacidade ofensiva, confinada principalmente à sua região e território", acrescentou.

Por sua vez, o analista militar Antony Wong Don disse ao South China Morning Post que o J-16 foi desenvolvido principalmente para atacar Taiwan.

Em 4 de agosto, foi relatado que a aeronave J-16 havia realizado exercícios em um lugar desconhecido e que logo os caças seriam introduzidos à Força Aérea chinesa. Em 12 de agosto, um número desconhecido de aeronaves também se juntou à força, segundo informou o jornal de Hong Kong.

Em 2015, surgiram fotos virais de um avião de combate chinês, provocando admiração e medo, relatou o canal indiano Zee News. Três anos depois, essa aeronave foi adotada em serviço.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas