Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Kiev se gaba do 'poder' de suas Forças Armadas: 'Rússia se engasgará com próprio sangue'

O vice-ministro para os Territórios Temporariamente Ocupados da Ucrânia, Yuri Grymchak, ameaçou a Rússia com uma resposta "sangrenta".


Sputnik

Segundo ele, há dois anos que previu uma "ofensiva" da Rússia contra a Ucrânia e estimou uma série de derrotas ucranianas. No entanto, agora ele afirma que o Exército ucraniano possui condições melhores do que anteriormente. 

Militares ucranianos participam dos exercícios
Militares ucranianos © AFP 2018 / YURIY DYACHYSHYN

"Naquela época eu disse que eles [russos] se engasgariam com nosso e seu próprio sangue. Hoje me parece que eles se engasgarão com seu próprio sangue em caso de uma ofensiva", expressou ele em entrevista ao Apostrophe.

O vice-ministro observou que, durante esse período, Kiev "mudou muita coisa" no exército, no equipamento e no armamento, e a situação nas Forças Armadas da Ucrânia é "incomparável" em relação a 2014.

Frequentemente em Kiev tentam propagar as Forças Armadas da Ucrânia como sendo "defensoras de toda a Europa". Mas na realidade, o exército ucraniano enfrenta sérios problemas.

Em outubro do ano passado, o procurador militar Anatoly Matios relatou que, desde 2014, mais de dez mil militares foram mortos e feridos por motivos que não estão relacionados com os combates em Donbass. O ministro da Defesa da Ucrânia, Stepan Poltorak, justificou as perdas como sendo consequência de doenças, violação de medidas de segurança e consumo de álcool.

Em julho, o deputado da Suprema Rada (Parlamento da Ucrânia) Andrei Biletsky falou sobre a situação catastrófica do armamento das Forças Armadas ucranianas. Ele observou que o desgaste das armas disponíveis na Ucrânia desde os tempos soviéticos já está próximo a ser crítico e que o equipamento necessário não é fabricado devido à corrupção.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas