Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Marinha chinesa prova suas capacidades no mar da China Oriental

Navios chineses interceptaram mísseis no decurso das manobras efetuadas no mar da China Oriental.


Sputnik

A Marinha da China realizou exercícios de defesa aérea e antimíssil com fogo real nas águas do mar da China Oriental, informou na segunda-feira (13) o jornal militar oficial chinês PLA Daily. Mais de dez navios participaram das manobras, durante as quais foram interceptados diversos mísseis antinavio.

Resultado de imagem para Meizhou frigate
Fragata chinesa de mísseis Meizhou

Os navios tinham como missão detectar múltiplos mísseis e escolher um método apropriado para interceptá-los. A fragata de mísseis Meizhou da Frota Marítima do Sul da China abateu um míssil antinavio na primeira tentativa.

De acordo com o especialista militar Song Zhongping, os exercícios ajudarão a "fortalecer a capacidade de defesa em resposta a possíveis ameaças de mísseis antinavio do Japão, Estados Unidos e outros países próximos à China". Além disso, os sistemas antimíssil no mar contribuirão para proteger as áreas costeiras do país.

"A capacidade antimíssil é essencial para construir uma Marinha estratégica e totalmente funcional, de maneira a garantir que o Exército Popular de Libertação (PLA) esteja preparado para combater", destacou.

De 10 a 13 de agosto, a Marinha chinesa efetuou manobras navais "importantes" para garantir segurança do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas