Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Por que Israel prefere caças antigos F-15 aos novos F-35?

A Força Aérea de Israel prefere os aviões antigos F-15 Eagle aos mais novos F-35 Joint Strike Fighter. De acordo com a matéria da revista norte-americana Popular Mechanics, o motivo é determinado pelo potencial adversário de Israel, o Irã. Nas operações contra este país, são necessários aviões capazes de carregar a bordo mais combustível e armas.


Sputnik

De acordo com a edição, Israel divide o seu parque aéreo militar em duas categorias: os aviões que são capazes de atacar alvos na fronteira com o Líbano e a Síria, e os aviões capazes de atingir alvos remotos, mas importantes, tais como as instalações nucleares iranianas. Israel possui os F-35 para resolver a primeira tarefa, e os F-15 para a segunda. Embora o F-35 seja mais moderno e mais furtivo, carece de alcance para atingir alvos no Irã.

F-15 da Força Aérea israelense, foto de arquivo
F-15 israelense © AP Photo / Ariel Schalit

Pelo contrário, Israel utiliza os F-15 há mais de 40 anos, tendo sido um dos primeiros países a receber os aviões e a utilizá-los em ação. O F-15 assegura a combinação de potência e alcance, o que permite a Israel atingir alvos inacessíveis para a maioria dos veículos de combate, destacou a revista.

Segundo a matéria, apesar de possuir meios de comunicação modernos e sensores, a maior desvantagem do F-35 é sua relativamente baixa capacidade de portar bombas. Neste sentido, os engenheiros israelenses estão limitados em seus desejos de modernizar o avião.

Sendo assim, Israel provavelmente vai suspender a compra dos F-35, se limitando a 50 aviões do tipo, e vai encomendar os restantes 25 somente após a aquisição de um grande número de aeronaves F-15, sugeriu a revista. O país planeja adquirir de 20 a 25 novíssimos F-15 2040C. Estes aviões são dotados de um radar moderno, um sensor orientado por infravermelho para detecção remota, bem como da capacidade de portar até 16 mísseis AMRAAM de médio alcance. Na versão israelense também será utilizado um equipamento de troca de dados com outros aviões.

Comentários

Postagens mais visitadas