Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

RFA Wave Ruler: sem tripulação e sem dinheiro para operar

O site Save The Royal Navy divulgou em sua conta do Twitter NavyLookout fotos do navio-tanque RFA Wave Ruler após reforma no estaleiro Cammell Laird.


Poder Naval

Segundo o site britânico, “o navio encontra-se atracado no Royal Seaforth Dock, Merseyside, em bom estado, mas infelizmente, parado devido à falta de mão-de-obra e dinheiro, com rumores de potencial venda para o Brasil.”

RFA Wave Ruler | FOTO: Frisia Bonn

Em 1 de junho de 2018, o jornalista Roberto Lopes noticiou com exclusividade no Poder Naval que a Marinha Real Britânica comunicou à Marinha do Brasil (MB) que se prepara para disponibilizar, no próximo ano, um dos seus dois navios-tanque da classe ” Wave” (RFA Wave Knight e RFA Wave Ruler) – unidades relativamente novas (apenas 15 anos de uso), de 196,5 m de comprimento, 31.500 toneladas de deslocamento carregado, e ampla capacidade de apoiar diferentes tipos de operações navais.

De acordo com uma fonte do Poder Naval no Ministério da Defesa, esse é o procedimento normal dos ingleses: eles primeiro investigam se a Marinha da “nação amiga” mostra interesse na embarcação a ser desativada; em caso afirmativo, formalizam a oferta do navio.

O Ministério da Defesa britânico diz que “não tem planos de vender os navios da classe Wave a uma nação estrangeira e não houve tais discussões com o governo brasileiro”.

Mas o mesmo foi dito quando foi ventilada pela primeira vez a possibilidade de venda do HMS Ocean.

Os navios da classe “Wave” custaram pouco mais de 100 milhões de libras esterlinas cada um, mas o preço de transferência ainda não foi definido.

Atualmente, a Força de Superfície da Marinha do Brasil depende de apenas um navio-tanque, o Almirante Gastão Motta (G23), um navio de 135 m de comprimento, 19 m de largura e 10.320 toneladas de deslocamento (carregado), operado por 121 tripulantes.

A Marinha tem, há vários anos, interesse em uma moderna unidade de Apoio Logístico, com deslocamento na faixa das 24 mil toneladas. A possível oferta inglesa daria um grande reforço nessa área vital.

Os classe “Wave” carregam até 16.500 m3 de diesel (equivalentes a 15 mil toneladas), 3.000 m3 de combustível de aviação, óleo lubrificante e água e 500 m3 de carga seca. Pode levar também até 8 contêineres refrigerados de 20 pés.

Equipamentos de osmose reversa instalados a bordo garantem a produção de 100 m3 de água potável ao dia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas