Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Usuários estrangeiros do F-35 gastam milhões para impedir que o caça compartilhe seus segredos

Os operadores poderão bloquear os sistemas do F-35 de enviar dados de volta para os Estados Unidos, mas outras preocupações de segurança podem permanecer


Poder Aéreo

A Lockheed Martin recebeu um contrato multimilionário para trabalhar em um “firewall” que permitirá aos operadores do F-35 Joint Strike Fighter evitar a transferência de informações potencialmente sensíveis que os sensores do jato e os computadores coletam e enviam de volta para os Estados Unidos via Internet para uma rede baseada em nuvem.

F-35 da Noruega

O desenvolvimento ocorre quando os parceiros estrangeiros no projeto se tornam cada vez mais preocupados com os dados que a aeronave está coletando e armazenando, mas as preocupações permanecem quanto a violações de segurança ou se os links para o sistema são cortados, especialmente no meio de uma crise.

O Pentágono anunciou o contrato, que veio através da Marinha dos EUA, o serviço que atualmente está no comando do principal Escritório do Programa Conjunto F-35 (JPO), em 17 de agosto de 2018. A empresa de defesa sediada em Maryland deve receber mais de US$ 26 milhões – todos financiados pelos parceiros internacionais do programa – para criar o que os militares americanos chamam de sistema de gerenciamento de dados soberanos (SDM) para o Sistema de Informações de Logística Autônoma (ALIS) do Joint Strike Fighter. O contrato cobre o trabalho até junho de 2020, mas não está claro se uma versão final da nova configuração de transferência de dados estará pronta para uso operacional até lá.

“Esse esforço proporciona aos parceiros internacionais do F-35 a capacidade de revisar e bloquear mensagens para impedir a perda de dados soberanos”, explicou o anúncio de contrato diário do Pentágono. “Além disso, o esforço inclui estudos e recomendações para melhorar a arquitetura de segurança do ALIS.”

Como existe agora, o ALIS coleta uma imensa quantidade de dados nos sistemas da aeronave, que supostamente ajuda as equipes de terra a identificar e corrigir problemas. Ele também envia essas informações de volta aos escritórios do F-35 JPO e da Lockheed Martin para que os especialistas possam ver se as peças estão se desgastando conforme o esperado ou se há pontos de falha comuns e desconhecidos que podem precisar de algum tipo de modificação ou atualização a linha. A Lockheed Martin também envia correções críticas de software via ALIS.

Mas ele também lida com pacotes de dados de missão. Quando os jatos retornam à base, o pessoal no solo extrai essa e outras informações adicionais que os sensores da aeronave podem ter gravado durante a surtida para debriefing e outras análises. Isso poderia incluir uma série de segredos de segurança nacional, incluindo registros da trajetória de voo e do perfil da missão do avião, dados de comunicações, imagens de vídeo, assinaturas eletrônicas e locais de radares e outros emissores amigos ​​e inimigos, além de detalhes sobre as táticas, técnicas e e procedimentos.

Houve uma preocupação em separado de que, uma vez que qualquer informação acabasse nos servidores da Lockheed Martin, ela poderia estar vulnerável a um ataque cibernético, seja diretamente contra a empresa ou contra um dos muitos subcontratados espalhados por 45 estados e Porto Rico. Os testes em 2017 revelaram que as vulnerabilidades conhecidas em redes relacionadas ao F-35 não foram analisadas, de acordo com a mais recente revisão de rotina do programa do Gabinete do Pentágono do Diretor de Teste e Avaliação Operacional.

FONTE: The Drive

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas