Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Ataques rebeldes contra área controlada por regime deixam 10 mortos na Síria

Pelo menos dez pessoas, entre elas três crianças, morreram nesta sexta-feira em decorrência dos projéteis lançados de áreas rebeldes contra um povoado controlado pelo regime na província de Hama, em resposta aos bombardeios cometidos hoje pela Rússia contra a província de Idlib, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.


EFE

O ataque teve como alvo o povoado de Maharda, controlado pelo regime sírio e de maioria cristã e situada no norte de Hama, no centro da Síria, em uma ação na qual uma mãe e seus três filhos morreram, assim como outras cinco mulheres e um homem, segundo esta ONG.

Resultado de imagem para Ataques rebeldes contra área controlada por regime deixam 10 mortos na Síria
Abdulmonan Eassa/AFP

A fonte acrescentou que outras 20 pessoas ficaram feridas no ataque.

Esta ONG, cuja sede está no Reino Unido, mas que conta com uma ampla rede de colaboradores no terreno, não descartou que o número de mortos possa aumentar pela gravidade do estado de alguns feridos.

Além disso, indicou que o grupo opositor Ansar al Tauhid assumiu a autoria do ataque.

Esta organização, que se concentra no norte da província de Latakia, foi fundada em março de 2018 e é comandada por um antigo líder do grupo rebelde Jund al Aqsa em Idlib, e que está formada por 350 combatentes.

Esta ação aconteceu horas depois que aviões russos lançaram 20 bombardeios contra áreas no sul de Idlib, nos quais morreram um civil e quatro islamitas do Movimento Islâmico dos Livres de Sham, uma das facções islamitas que operam no último bastião opositor no país.

Idlib e outras áreas no norte da província de Latakia estão sendo alvo de ataques aéreos por parte das forças governamentais sírias e aliadas, em prelúdio de uma iminente campanha militar contra as facções rebeldes e islamitas que operam na região.

Rússia, Turquia e Irã se reuniram hoje em Teerã para decidir sobre o futuro de Idlib e convocar os opositores a depor as armas a fim de evitar uma tragédia humanitária em uma província na qual vivem três milhões de pessoas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas