Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Caças americanos interceptam bombardeiros russos na área do Alasca

Caças americanos F-22 levantaram voo pela segunda vez neste ano para interceptar bombardeiros estratégicos russos Tu-95 na área do Alasca, relatou a edição Washington Free Beacon.


Sputnik
Segundo o representante do Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD, na sigla em inglês), Michael Kucharek, citado pela mídia, o incidente ocorreu no 1º de setembro.

Bombardeiro estratégico Tu-95
Bombardeiro russo Tupolev Tu-95 © Sputnik / Grachev

"Dois caças F-22 interceptaram e monitoraram dois bombardeiros Tu-95 da Rússia até que estes saíram da Zona de Identificação de Defesa Aérea do Alasca, ao longo da cadeia das ilhas Aleutas, rumo ao ocidente", afirmou o militar.

Porém, Kucharek sublinhou que os aviões russos não entraram no espaço aéreo dos EUA ou do Canadá.

A última vez que caças americanos haviam levantado voo para interceptar aviões russos foi em maio deste ano.

Comentando as notícias, o Ministério da Defesa russo afirmou que os Tu-95 realizaram voos de rotina sobre as águas neutras do oceano Ártico, mares de Okhotsk e de Bering, acrescentando que, em certas partes da rota, os aviões russos foram escoltados por dois caças F-22 dos EUA.

Segundo o comunicado do ministério russo, a aviação naval e de longo alcance realiza regularmente voos sobre as águas neutras dos oceanos Ártico, Atlântico, Pacífico e mar Negro. Todos os voos correspondem às regras internacionais e não violam as fronteiras de outros Estados.

Comentários

Postagens mais visitadas