Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Caças da OTAN voltam a sobrevoar Estônia

Os caças Eurofighter da Força Aérea da Alemanha, que realizam uma missão para proteger o espaço aéreo dos países bálticos e que foram transferidos para a base aérea de Amari, perto de Tallinn, realizarão novamente de 17 a 22 de setembro voos diários de treinamento sobre a Estônia a baixa altitude.


Sputnik

Os voos de treinamento foram retomados no início de setembro, depois que todos os voos no âmbito da missão de proteção do espaço aéreo sobre países bálticos foram interrompidos em decorrência de um incidente com o lançamento acidental de um míssil ar-ar pelo caça da Força Aérea Eurofighter no dia 7 de agosto. Até agora o míssil não foi encontrado.

Eurofighter Typhoon S da Força Aérea da Alemanha
CC BY 2.0 / Eurofighter Typhoon S Germany Air Force / https://www.flickr.com/people/14035760@N03

"Durante a semana de trabalho, os caças Eurofighter da Força Aérea da Alemanha realizarão voos de treinamento no espaço aéreo da Estônia. Os voos serão efetuados a uma altura de pelo menos 152 metros e longe dos assentamentos", informou o serviço de imprensa das Forças de Defesa da Estônia.

Em 30 de agosto, os pilotos da Força Aérea alemã e cinco caças Eurofighter mudaram o contingente da Força Aérea da França com quatro caças Mirage 2000-5, que protegiam o espaço aéreo dos países do Báltico desde 3 de maio. A unidade que chegou na Estônia inclui cerca de 160 militares. A base principal da esquadrilha alemã é Neuburgo, no estado de Baviera.

Os voos são conduzidos com base em acordos entre países da OTAN em áreas especialmente designadas. Essas zonas para voos em baixas altitudes são atribuídas por todos os governos dos países bálticos. Segundo os militares, os voos não contradizem as leis da Estônia e são coordenados com o departamento de aviação.

Os países do Báltico não possuem aviões adequados para patrulhamento aéreo. Por isso, desde abril de 2004 (depois da adesão à OTAN), a proteção do espaço aéreo é conduzida por aeronaves dos países da Aliança, no aeroporto de Zokniai na Lituânia, a cinco quilômetros de Siauliai, e também na base aérea de Amari. Na cúpula da OTAN em Chicago, em 2012, a missão foi prorrogada por um período indefinido.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas