Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Chefe do Pentágono põe em dúvida possibilidade de aliança militar entre Moscou e Pequim

O secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, acredita que a Rússia e a China dificilmente conseguirão criar uma aliança militar, apesar da realização de manobras militares conjuntas.


Sputnik

"Acho que os países agem partindo de seus próprios interesses. Vejo pouco que possa unir a Rússia e a China a longo prazo", assinalou Mattis nesta terça-feira (11), quando perguntado por jornalistas se as manobras conjuntas entre os dois países levariam ou não à formação de uma aliança militar entre eles. 

Avião chinês se aproximando de uma embarcação russa durante as manobras conjuntas (foto de arquivo)
Helicóptero chinês se aproximando de embarcação russa © AP Photo / Zha Chunming

As manobras Vostok 2018 decorrem de 11 a 17 de setembro na região do Extremo Oriente da Rússia e nas águas adjacentes do Pacífico. Os treinamentos militares são os maiores nos últimos 37 anos, envolvendo quase 300.000 militares, dezenas de milhares de veículos blindados, helicópteros, aviões e drones. Além disso, os exercícios contam com a participação de militares da China e da Mongólia. Por parte da China participam cerca de três mil militares, 30 aviões e helicópteros.

Hoje em dia, a China é um dos principais parceiros econômicos da Rússia, inclusive na compra de equipamento militar. Os países vêm reforçando sua colaboração no âmbito de muitas plataformas internacionais, como a Organização das Nações Unidas, Organização para a Cooperação de Xangai, BRICS e outros. O líder chinês, Xi Jinping, tomou parte da inauguração do IV Fórum Econômico do Oriente na cidade russa de Vladivostok, onde se encontrou com o presidente russo, Vladimir Putin.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas